Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

Advogado diz que cliente está a ser "bode expiatório" na morte de Giovani

O advogado do único arguido apontado pelo Ministério Público como autor da pancada que matou Luís Giovani considerou hoje que o cliente está a ser usado como "bode expiatório" numa versão nunca antes ouvida no julgamento, em Bragança.

Advogado diz que cliente está a ser "bode expiatório" na morte de Giovani
Notícias ao Minuto

19:51 - 27/05/22 por Lusa

País Luís Gionavi Rodrigues

O procurador do Ministério Público pediu hoje a condenação a uma pena "nunca inferior a seis anos" de um dos sete acusados da morte do cabo-verdiano, descartando o crime de homicídio e pedindo a absolvição dos restantes arguidos.

A posição assumida hoje, nas alegações finais, pelo procurador contraria toda a acusação e "foi uma surpresa" para o advogado do arguido apontado, conhecido como Fará.

"Foi uma surpresa para mim e para toda a gente porque esta é a 37ª sessão do julgamento e esta versão do facto que terá levado à morte de Giovani é a primeira vez que a estou a ouvir", declarou o advogado Gil Balsemão, no final da sessão de hoje do julgamento.

Nas alegações finais, o magistrado que representa a acusação criticou o despacho de pronúncia que levou os sete jovens de Bragança ao banco dos réus, mostrando-se convicto de que "apenas um matou Giovani" e não foi com intenção homicida.

O procurador defende que os factos, que levaram à morte do jovem de 21 anos, se resumem a uma contenda entre este arguido e um outro elemento do grupo de cabo-verdianos, de nome Valdo.

Para o magistrado, ao tentar bater com um pau no Valdo, o arguido atingiu Giovani com "uma pancada seca", causando-lhe um traumatismo craniano.

O advogado de defesa alega que esta versão do procurador "não foi dita por nenhum dos ofendidos, não foi transcrita, nem alegada por nenhum dos arguidos, nem por nenhuma das testemunhas".

"A estupefação é total, é uma verdadeira fabulação do senhor procurador", afirmou, considerando que, "à falta de prova, parece que há aqui a ideia que é preciso arranjar um bode expiatório e a maneira mais fácil é criar algo que é a primeira vez que todos ouvem".

O procurador do Ministério Público abriu as alegações finais deste julgamento mostrando-se convicto de que "apenas um" dos sete arguidos acusados de homicídio qualificado "matou Giovani e não foi com intenção homicida".

O magistrado que representa a acusação defendeu que o crime cometido foi de ofensa à integridade física qualificada e que o arguido deve cumprir pena de prisão efetiva, "nunca inferior a seis anos", que inclui também o pedido de condenação pelas agressões a outro cabo-verdiano.

Na madrugada de 21 de dezembro de 2019, Giovani estava com mais três cabo-verdianos, que se terão envolvido numa contenda com outro grupo de jovens portugueses.

Giovani, que tinha chegado há pouco tempo a Bragança para estudar no politécnico, foi encontrado sozinho, inconsciente e caído na rua e encaminhado para a urgência de Bragança, de onde foi transportado para um hospital do Porto, onde morreu dez dias depois.

O Ministério Público começou por acusar oito portugueses de homicídio qualificado consumado, na pessoa de Giovani, e na forma tentada em relação aos outros três cabo-verdianos.

Alguns dos acusados contestaram a acusação e a juíza de instrução ilibou um dos jovens, manteve a acusação de homicídio aos restantes sete em relação a Giovani e reduziu para ofensa à integridade física os crimes contra os outros três cabo-verdianos.

O representante do Ministério Público no julgamento, que começou em fevereiro de 2021, pede agora a absolvição de seis dos arguidos, sugerindo penas de multa para dois deles, por estarem também acusados do crime de posse de arma proibida.

A posição do Ministério Público contraria também a perspetiva dos assistentes dos ofendidos e da família de Giovani, que continuam a insistir na coautoria dos sete acusados "relativamente às lesões que foram provocadas e que foram a causa da morte" do jovem, como reiterou Paulo Abreu.

O advogado repetiu, também, durante as alegações finais que o jovem foi agredido com murros, pontapés, cintos, pau e soqueiras pelos arguidos, o que motivou uma resposta do procurador.

"Onde estão as provas", perguntou o magistrado, vincando que "não há nenhum documento clínico" que corrobore esta versão e que Giovani não tinha mais nenhum ferimento, além do hematoma "do tamanho de uma bola de golfe" na cabeça.

O tribunal marcou para 03 de junho a continuação das alegações finais deste julgamento.

Leia Também: Giovani. MP pede condenação de apenas um acusado e descarta homicídio

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório