Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
25º
MIN 13º MÁX 25º

Comunidade eslava e pais denunciam 'bullying' contra crianças russas

Três associações da comunidade eslava em Portugal e um grupo de pais denunciaram hoje o aumento de casos de 'bullying' nas escolas contra crianças que falam russo e pediram aos diretores e professores especial atenção.

Comunidade eslava e pais denunciam 'bullying' contra crianças russas
Notícias ao Minuto

14:42 - 02/03/22 por Lusa

País Ucrânia/Rússia

"Este conflito internacional gerou maior desenvolvimento local de uma discriminação de origem nacional", escrevem numa carta aberta, subscrita por pais e pelas associações Sempre, Espaço Vivo e MIR.

De acordo com a carta, os casos discriminação intensificaram-se também nas escolas na sequência da invasão das forças russas à Ucrânia.

"Um número de crianças que falam russo agora são recebidos com vergonha e ameaças de agressão de alguns de seus colegas de escola ou da turma. Obviamente, esse 'bullying' foi desencadeado pelas ações que estão a desenvolver-se na Ucrânia", referem.

Dirigindo-se aos diretores escolas e aos profissionais das escolas, os pais e as associações apelam a uma maior atenção para estes casos.

Na segunda-feira, a embaixada da Rússia já tinha também instado os seus cidadãos em Portugal a contactarem as autoridades portuguesas e o serviço consular em caso de ameaças à sua segurança.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e mais de 660 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

Em Portugal, têm-se multiplicado as manifestações contra a invasão da Rússia à Ucrânia, com eventos em várias localidades do país, incluindo em frente à embaixada da Rússia, em Lisboa, ou junto ao consulado russo no Porto.

Leia Também: AO MINUTO: Kharkiv sob ataque; Kremlin admite "golpe sério" na economia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório