Meteorologia

  • 25 MAIO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

Covid-19: Hospitais do Porto mantêm capacidade de resposta

Os hospitais de São João e Santo António, no Porto, não sentem ainda pressões no atendimento a pacientes com covid-19 e outras patologias, apesar de Portugal ter ultrapassado o nível crítico no indicador de avaliação da pandemia.

Covid-19: Hospitais do Porto mantêm capacidade de resposta

No Centro Hospitalar Universitário de São João estão internadas 114 pessoas com covid-19, 10 das quais crianças e oito grávidas, com 18 pessoas em Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), avançou fonte do hospital à Lusa.

Este hospital, o maior da região, tem tido nas últimas semanas "um incremento de profissionais infetados", mas "sem nenhuma suspensão ou adiamento da atividade programada".

O São João mantém-se, por isso, no nível dois do plano de contingência.

Já no Hospital de Santo António há "30 doentes internados e não tem variado nos últimos tempos", numa unidade que tem 843 camas em enfermaria e em UCI, pelo que não se sente pressão nos serviços, adiantou à Lusa fonte do hospital.

Segundo o indicador de avaliação da pandemia do Instituto Superior Técnico e da Ordem dos Médicos, Portugal ultrapassou o nível crítico, o que indica que a resposta de saúde a pessoas com outras doenças pode ficar comprometida.

No domingo, o país estava nos 102.14 pontos, acima dos 100 pontos definidos como o nível crítico neste indicador composto por cinco parâmetros:  novos casos, óbitos, internados em enfermaria e cuidados intensivos, índice de transmissibilidade (Rt) e incidência de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2

Quando esta avaliação ultrapassa os 100 pontos, o "Serviço Nacional de Saúde tem de alocar mais recursos e começa a ter de passar os doentes que não têm covid-19 para segundo plano. Há muitos tratamentos que começam a ser adiados", adiantou à Lusa o matemático Henrique Oliveira, um dos responsáveis pela elaboração deste indicador da pandemia.

Henrique Oliveira prevê que Portugal atinja o pico da atual vaga pandémica no período entre o início de fevereiro e o dia 12 do mesmo mês.

Esta é a segunda vez em que Portugal ultrapassa o nível crítico nesta avaliação desde o início da pandemia, com a primeira a verificar-se entre o final de outubro de 2020 e fevereiro de 2021, quando se registou a maior pressão sobre os serviços de saúde.

O indicador desenvolvido pelo Instituto Superior Técnico e Ordem dos Médicos continua a ter em conta a atividade da pandemia a partir da incidência e da transmissibilidade (Rt), mas engloba também a gravidade da doença, determinada em função da letalidade e dos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos.

De acordo com os autores, no cálculo da incidência e da transmissibilidade do vírus, passa a ser utilizado o número de novas infeções a sete dias, e não a 14, e um Rt diário.

A covid-19 provocou 5.593.747 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.613 pessoas e foram contabilizados 2.254.583 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

Leia Também: AO MINUTO: 41 processos por irregularidades nas vacinas; PCR em casa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório