Meteorologia

  • 19 MAIO 2022
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 29º

Rendeiro diz que se sente "melhor". Ex-banqueiro volta a tribunal dia 27

Antigo presidente do BPP voltou hoje ao tribunal de Verulam para o início do julgamento do processo de extradição. A próxima sessão está marcada para 27 de janeiro.

Rendeiro diz que se sente "melhor". Ex-banqueiro volta a tribunal dia 27
Notícias ao Minuto

09:00 - 21/01/22 por Tomásia Sousa com Lusa

País Caso BPP

O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) João Rendeiro afirmou, esta sexta-feira, no regresso ao tribunal, que se sente "um pouco melhor", após alguns dias marcados por problemas de saúde. O antigo banqueiro voltou a tribunal para o início do julgamento do processo de extradição, tendo já nova sessão agendada para dia 27.

"Estou um bocadinho melhor", afirmou quando entrou na sala para a audição, tendo voltado a repeti-lo à saída.

Rendeiro não respondeu, contudo, se vai aceitar o processo de extradição.

O juiz que hoje liderou o processo, Johan Van Rooyen, confirmou a receção da documentação enviada por Portugal, mas referiu que o selo dos documentos estava danificado e que, portanto, terá de ser tudo devolvido a Portugal para nova verificação. Foi anunciada uma nova sessão para 27 de janeiro, para analisar o pedido de extradição.

O magistrado permitiu que as televisões transmitissem a sessão, mas foi rígido em relação às regras para a presença da comunicação social, proibindo, por exemplo, o uso de telemóveis, por entender que perturbou as últimas sessões.

Na sala de audiência estiveram vários agentes fortemente armados.

O procurador Naveen Sewparsat entregou ao tribunal uma caixa de cartão contendo o processo de extradição enviado por Portugal, contendo dois conjuntos de documentos, um em português, outro em inglês.

A fita vermelha e verde que selava o conjunto de documentos em português estava partida, enquanto os documentos traduzidos estavam devidamente selados.

Naveen Sewparsat referiu que a procuradoria vai apresentar um pedido para que os documentos de extradição sejam enviados através de canais diplomáticos para as autoridades portuguesas, por forma a que estas os verifiquem e voltem a selar.

Por seu lado, a advogada de defesa, Kellie Hennessy, disse que a defesa só conseguiu ter acesso aos documentos hoje de manhã e que precisava de mais tempo para os estudar.

A porta-voz da National Prosecuting Authority (NPA, ministério público sul-africano), Natasha Ramkisson, disse à saída do tribunal que a equipa de procuradores sul-africanos está a trabalhar em conjunto com procuradores em Portugal.

Também à saída, Kellie Hennessy recusou-se a responder a questões sobre a saúde e condições de detenção de Rendeiro.

A audição de hoje no tribunal de Verulam, em Durban, África do Sul, começou com algum atraso. A hora de referência era 09h00 (07h00 em Portugal), mas a diligência só começou duas horas depois.

Rendeiro chegou ao tribunal numa viatura da polícia e não na habitual carrinha celular, com escolta policial e na presença da Interpol.

Esta é a primeira audiência desde que a Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou (no dia 12) o envio do pedido de extradição do ex-presidente do BPP, transmitido por via diplomática para a África do Sul.

O ex-banqueiro teve febre e foi visto na quarta-feira por uma enfermeira na prisão de Westville, em Durban, África do Sul, segundo a advogada June Marks, que criticou a ausência de uma assistência médica mais abrangente por parte das autoridades locais, face à existência de um problema de coração.

O ex-presidente do Banco Privado Português (BPP) continuará detido na prisão de Westville, província de Westville, KwaZulu-Nata.

Segue-se agora a consulta do processo quer por parte da defesa de João Rendeiro, quer por parte da acusação.

Recorde-se que o ex-banqueiro foi condenado em três processos distintos relacionados com o colapso do BPP, tendo o tribunal dado como provado que retirou do banco 13,61 milhões de euros. Das três condenações, apenas uma já transitou em julgado e não admite mais recursos, com João Rendeiro a ter de cumprir uma pena de prisão efetiva de cinco anos e oito meses.

João Rendeiro foi ainda condenado a 10 anos de prisão num segundo processo e a mais três anos e seis meses num terceiro processo, sendo que estas duas sentenças ainda não transitaram em julgado.

O colapso do BPP, em 2010, lesou milhares de clientes e causou perdas de centenas de milhões de euros ao Estado.

[Notícia atualizada às 10h54]

Leia Também: João Rendeiro volta a tribunal para a 1.ª audiência sobre a extradição

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório