Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
22º
MIN 22º MÁX 37º

Ambulâncias retidas por dificuldades das urgências de Caldas da Rainha

Seis ambulâncias estavam pelas 23h00 de segunda-feira retidas há várias horas à espera de que os doentes fossem atendidos na urgência de doentes respiratórios das Caldas da Rainha do Centro Hospitalar do Oeste (CHO), constatou a agência Lusa no local.

Ambulâncias retidas por dificuldades das urgências de Caldas da Rainha
Notícias ao Minuto

06:22 - 04/01/22 por Lusa

País Covid-19

Pelas 23h00 horas de segunda-feira, estavam à porta da urgência covid das Caldas da Rainha duas ambulâncias dos bombeiros de Torres Vedras, desde as 12h30 e 14h00, duas da Benedita, desde as 18h00 e as 21h00, e uma de São Martinho do Porto, desde as 17h00, e uma ambulância de transporte de doentes.

Os doentes aguardam há várias horas dentro dos veículos à espera de serem atendidos, depois de terem efetuado triagem, apurou a agência Lusa no local.

Já na urgência geral de Caldas da Rainha, encontravam-se em espera duas ambulâncias de Caldas da Rainha, mas, de acordo com os bombeiros, chegaram a estar retidas 16 macas deixadas por ambulâncias de várias corporações de bombeiros da região.

O comandante dos bombeiros de Torres Vedras, Hugo Jorge, confirmou à Lusa que uma das duas ambulâncias que estavam na urgência covid desde as 12h00 tem o respetivo "doente sentado na ambulância porque ainda não tinha sido atendido, por falta de macas e por dificuldades de atendimento" na urgência.

"Já tivemos de trocar de guarnições", acrescentou a mesma fonte, adiantando que, durante o dia de segunda-feira, treze ambulâncias chegaram a fazer fila de espera à porta da urgência geral das Caldas da Rainha, pelos mesmos problemas.

"Tivemos uma senhora que teve de ser higienizada duas vezes dentro da ambulância por profissionais do hospital, devido aos tempos de espera", exemplificou.

"Esta situação é o prato do dia", disse à Lusa o comandante dos Bombeiros de S. Martinho do Porto, João Bonifácio, que, às 23h00, tinha ainda no local uma ambulância e "outra regressou ao quartel, mas sem maca".

O comandante considera preocupante que "este cenário constante possa pôr em causa o socorro a doentes urgentes, correndo-se o risco de haver um acidente grave para o qual os carros não possam sair, por não terem maca".

João Bonifácio afirmou já ter questionado o CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) de Coimbra, que "disse não ter conhecimento da situação", e alertou para "o cansaço dos voluntários que já começam a recusar fazer estes serviços porque sabem que vão ficar retidos horas, muitas vezes para além do seu horário, o que está a criar situações de revolta".

Já o comandante dos bombeiros do Cadaval, David Santos, afirmou à Lusa que, durante segunda-feira, a corporação teve uma ambulância retida na urgência geral das Caldas da Rainha entre as 08h30 e as 18h30 e teve outra transferida para a urgência covid do Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

"Os poucos meios que temos ficam retidos nas unidades hospitalares e podemos ter situações de socorro e não ter meios nem dentro, nem de fora do concelho", alertou.

As mesmas fontes adiantaram que a urgência de doentes respiratórios (covid-19) de Torres Vedras está encerrada desde quinta-feira, por isso as ambulâncias são desviadas pelo Centro de Orientação de Doentes Urgências para Caldas da Rainha ou para outros hospitais.

O adjunto do comando dos bombeiros do Bombarral, João Paulo Baptista, disse à Lusa que, na segunda-feira, a corporação teve duas ambulâncias retidas na urgência covid de Caldas da Rainha "desde antes da hora de almoço até às 20h00 por falta de macas e dificuldades de atendimento na urgência.

"Deixámos lá a maca e a ambulância regressou com a guarnição, para os nossos homens ficarem disponíveis para outras ocorrências", acrescentou a fonte, adiantando que, na ocasião em que a ambulância saiu da urgência, a maca respetiva era a "décima em espera".

As mesmas fontes afirmaram que, desde o início de dezembro, se tem notado uma maior afluência às urgências gerais e covid do CHO, o que tem aumentado os tempos de espera para os doentes serem atendidos nas urgências hospitalares.

A Lusa contactou a presidente do conselho de administração do CHO, Elsa Baião, mas esta esteve incontactável

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Torres Vedras, Caldas da Rainha e de Peniche e detém uma área de influência constituída pelas populações daqueles três concelhos, Óbidos, Bombarral, Cadaval e Lourinhã, e de parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro).

Leia Também: INEM está a demorar quase uma hora para enviar ambulâncias, diz sindicato

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório