Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 15º

Edição

Reino Unido dá passo atrás. Voltam as máscaras e o teletrabalho

Boris Johnson acaba de anunciar novas restrições. Número de casos de Covid-19 continua a aumentar no país.

Reino Unido dá passo atrás. Voltam as máscaras e o teletrabalho

O Reino Unido deu, esta quarta-feira, um passo atrás no desconfinamento, com o regresso de várias restrições que têm como objetivo combater a nova vaga de Covid-19 que está a atingir o país.

Desta forma, o governo britânico vai acionar o "plano B" para tentar controlar o avanço da variante Ómicron, cujos dados mostram que o número de casos está a duplicar cada dois a três dias.

Ao todo, o total de casos identificados com a nova variante do coronavírus é de 568, contra 32 há uma semana atrás, tendo Johnson confirmado esta semana existirem "indícios de que é mais transmissível" do que a variante Delta.

"Sabemos que a lógica implacável do crescimento exponencial pode levar a um grande aumento das hospitalizações e, portanto, infelizmente, das mortes", admitiu Johnson.

Entre as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, está a recomendação do teletrabalho a partir de segunda-feira e o regresso à obrigatoriedade do uso de máscara em locais públicos.

A partir da próxima semana, será também obrigatório apresentar o certificado digital para entrar em discotecas e locais com aglomeração de pessoas no Reino Unido.

As medidas aplicam-se a Inglaterra, enquanto as regras na Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, que têm sido mais apertadas, são da responsabilidade dos respetivos governos autónomos. Segundo a Sky News, as novas restrições vão estar em vigor, pelo menos, até ao dia 26 de janeiro.

O Reino Unido registou 161 mortes e 51.342 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, dos quais 131 com a variante Ómicron. 

"Omicron está a espalhar-se muito rapidamente"

O consultor científico do governo britânico Patrick Vallance revelou, na mesma conferência, que "a variante Omicron está a espalhar-se muito rapidamente".

A boa notícia é que a vacina de reforço está "definitivamente a ter algum efeito" e é "uma forma incrivelmente importante de aumentar a imunidade".

Apesar disso, o número de infeções relacionadas com esta nova variante deve aumentar nas próximas semanas, "razão pela qual foi necessário adotar novas medidas".

Já sobre o futuro e a possibilidade de o mundo viver de restrições em restrições nos próximos anos, o diretor médico Chris Whitty respondeu que, "a longo prazo, as perspetivas são boas", contudo, é necessário ainda avaliar se as pessoas mais vulneráveis irão necessitar ou não de serem vacinadas todos os anos.

Leia Também: AO MINUTO: Mais 61 mil com dose de reforço; Festa polémica no Reino Unido

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório