Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Julgamento sobre despedimentos na Efacec retomado na 6.ª feira

O julgamento relativo ao despedimento coletivo efetuado em agosto de 2018 pela Efacec, em que alguns trabalhadores reclamam a reintegração na empresa, é retomado na sexta-feira no Juízo do Trabalho de Matosinhos, avançou à Lusa fonte sindical.

Julgamento sobre despedimentos na Efacec retomado na 6.ª feira

Segundo adiantou à agência Lusa fonte do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte), a segunda sessão do julgamento terá início às 09:00, no Palácio da Justiça de Matosinhos.

Na primeira sessão, que decorreu em 23 de setembro, alguns (não foi precisado quantos) dos 16 trabalhadores que contestavam o despedimento coletivo chegaram a acordo com a empresa, que atua nos setores da energia, engenharia e mobilidade.

Contudo, houve um grupo de funcionários que não aceitou as condições propostas pela Efacec, continuando a reclamar a reintegração na empresa, tendo ficado marcada para 13 de outubro uma nova sessão do julgamento que, contudo, acabou por ser adiada.

A Lusa tentou ouvir a administração da Efacec, o que não foi possível até ao momento.

Em causa está um despedimento coletivo de 21 trabalhadores efetuado pela Efacec em agosto de 2018 e que foi contestado judicialmente por 16 dos visados.

Segundo o Site-Norte, o despedimento visou trabalhadores "com dezenas de anos de antiguidade, numa altura em que a administração da empresa dizia que estava a crescer", considerando o sindicato que se tratou de um "despedimento apoiado em motivos falsos, inexistentes, fúteis, desprovidos de qualquer nexo causal, e que, de certa forma, tem na sua génese motivações políticas".

"Por isso, os trabalhadores recorreram ao tribunal, no sentido de verem repostos os seus direitos, pedindo que condene a Efacec a reintegrá-los na empresa, no seu posto de trabalho", refere.

Para o sindicato, "na altura crucial que a Efacec atravessa, é absolutamente fundamental que conte com a experiência e 'know-how' dos seus quadros intermédios, que estão disponíveis para prestar o seu trabalho e ajudar a Efacec a continuar a crescer".

O Governo pretende que o processo de reprivatização dos 71,73% do capital social da Efacec atualmente nas mãos do Estado esteja concluído até ao final do ano, sendo que o grupo português DST SGPS foi o único a apresentar uma proposta final de compra, segundo anunciou recentemente a Parpública.

A entrada do Estado na Efacec decorreu da saída de Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, da esfera acionista, na sequência do envolvimento no caso 'Luanda Leaks', no qual o Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação revelou mais de 715 mil ficheiros que detalham alegados esquemas financeiros da empresária.

Leia Também: Greve na Efacec com "adesão maciça", diz sindicato

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório