Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Juiz travou escutas a irmãos suspeitos de pertencerem ao Daesh detidos cá

Decisão foi alvo de contestação pelo Ministério Público. Tribunal de Relação de Lisboa revogou o despacho de Ivo Rosa.

Juiz travou escutas a irmãos suspeitos de pertencerem ao Daesh detidos cá

O juiz Ivo Rosa indeferiu o pedido de renovação de escutas telefónicas e de varrimento eletrónico aos irmãos iraquianos Yasir e Ammar Ameen, de 32 e 34 anos, que acabaram por ser detidos, em Lisboa, por serem suspeitos de pertencerem ao Estado Islâmico, avança o Diário de Notícias

Os dois homens, acrescenta o Expresso, estavam a ser alvo de interceções telefónicas pouco tempo depois de começarem a ser investigados, no verão de 2017. 

As escutas foram autorizadas pelo juiz até fevereiro de 2018, mas, chegada a altura de as renovar, este negou, argumentando que as interceções não tinham tido "interesse para a prova ou para a investigação".

A decisão do juiz - agora 'encarregue' da Operação Marquês, que tem em José Sócrates um dos principais arguidos -, foi alvo de protesto do Ministério Público (MP), que recorreu. 

Contam as publicações que foi o Tribunal de Relação de Lisboa quem revogou o despacho de Rosa, dando razão aos argumentos do MP. Contudo, a investigação chegou mesmo a ficar parada durante cerca de três meses. 

Notícias ao Minuto António Costa com Yasir Ameen durante uma visita ao restaurante Mezze© reprodução Twitter / @antoniocostapm

Recorde-se que a Polícia Judiciária (PJ) informou que em causa estão indícios da prática dos crimes de adesão e apoio a organização terrorista internacional, terrorismo internacional, e crimes contra a humanidade.

"As provas recolhidas indiciam que estes dois indivíduos assumiram distintas posições na estrutura do ISIS / Daesh, sendo os mesmos igualmente objeto de investigação por parte das competentes autoridades judiciárias iraquianas", refere a nota, sublinhando não existirem por agora indícios de que os crimes que são imputados aos dois indivíduos tivessem sido cometidos em Portugal.

A operação foi conduzida pela Unidade Nacional Contraterrorismo (UNCT) da PJ, chefiada por Manuela Santos, e contou também com a colaboração do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e, a nível internacional, com o apoio de autoridades judiciárias iraquianas, através da UNITAD-ONU.

Nas detenções e buscas estiveram ainda a magistrada do Ministério Público titular do inquérito e elementos da investigação criminal e peritos da Unidade de Perícia Tecnológica Informática (UPTI) da PJ.

Leia Também: Costa e Sampaio estiveram com iraquiano detido por ligações ao Daesh

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório