Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Pediatra defende: "Não há pressa em vacinar as nossas crianças"

"Devemos fazê-lo como sempre foi feito: em segurança", apontou José Gonçalo Marques, que lembrou que as crianças "estiveram nestas vagas sucessivas passando por elas sem uma significativa morbilidade".

Pediatra defende: "Não há pressa em vacinar as nossas crianças"

A vacinação de crianças e jovens em Portugal continua a fazer correr muita tinta e, em declarações à SIC Notícias, o pediatra José Gonçalo Marques defendeu que "não há pressa" em avançar com a inoculação destas faixas etárias. 

"As crianças estiveram nestas vagas sucessivas passando por elas sem uma significativa morbilidade, ou seja, sem doença significativa, sem levar a rotura de serviços hospitalares e sem serem elas as responsáveis por transmitir aos adultos", começou por recordar o especialista. 

Nesta perspetiva, "havendo algumas questões de segurança que a própria entidade europeia levanta", José Gonçalo Marques considerou que "se não temos uma emergência de atuar face a uma patologia que não está a ser significativa na criança, é um alerta que, a meu ver e bem, a Direção-Geral de Saúde (DGS) respeitou"

"Nós não temos uma emergência, não há pressa em vacinar as nossas crianças. Devemos fazê-lo como sempre foi feito: em segurança", terminou.

De lembrar que as crianças com idades entre os 12 e os 15 anos que tenham cancro ativo, diabetes, obesidade, insuficiência renal crónica estão entre as que devem ser vacinadas prioritariamente contra a Covid-19, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A norma da Campanha de Vacinação Contra a Covid-19 esta terça-feira atualizada pela Direção-Geral da Saúde (DGS) determina também como doenças prioritárias para vacinação a transplantação e a imunossupressão.

Segundo a norma, estão ainda incluídas doenças neurológicas, que englobam a paralisia cerebral e distrofias musculares, as perturbações do desenvolvimento, como a Trissomia 21 e perturbações do desenvolvimento intelectual grave e profundo. A doença pulmonar crónica, doença respiratória crónica, como asma grave, e fibrose quística também estão entre as prioritárias.

As vacinas podem ser administradas nos menores desde que esteja presente quem tem a guarda do menor ou a pessoa a quem o menor tenha sido confiado.

Leia Também: DGS só autoriza vacina a crianças dos 12 aos 15 anos com comorbilidades

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório