Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2021
Tempo
22º
MIN 17º MÁX 24º

Edição

DGS só autoriza vacina a crianças dos 12 aos 15 anos com comorbilidades

Autoridade de saúde só recomenda a vacinação contra a Covid-19 a adolescentes entre os 12 e os 15 anos, aguardando por dados adicionais para decidir se alarga a vacinação a todas as crianças desta faixa etária. DGS reitera, por outro lado, que a vacinação em massa nos 16 anos ou mais é uma "arma potentíssima" inclusivamente para proteger as crianças.

DGS só autoriza vacina a crianças dos 12 aos 15 anos com comorbilidades

A diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, revelou esta sexta-feira que a DGS apenas recomenda a vacinação prioritária contra a Covid-19 dos adolescentes entre os 12 e os 15 anos com comorbilidades associadas a maior risco de doença grave. 

Numa conferência marcada para apresentar as conclusões do parecer técnico, e para o qual foram consultados pediatras e especialistas em saúde infantil, a responsável anunciou que a autoridade de saúde emitirá recomendações sobre a vacinação dos adolescentes entre os 12 e os 15 anos, em geral, "logo que estejam disponíveis dados adicionais sobre a vacinação destas faixas", o que espera que aconteça a curto prazo.

Graça Freitas lembrou que, na sequência da monitorização feita pela Agência Europeia do Medicamento (EMA), foi emitido "um sinal de alerta" relativamente a pessoas vacinados (com a Moderna e com a Pfizer), sobretudo jovens, que desenvolveram miocardite e pericardite, efeitos adversos raros e ligeiros que ainda estão em estudo.

Como ainda não há dados sobre a vacinação da faixa etária entre os 12 e os 15 na União Europeia, a DGS prefere esperar por dados "adicionais" para tomar uma decisão. "Ainda não há tempo para se saber se há miocardites e pericardites nesta faixa etária, na UE. Aguardam-se resultados desta vacinação a curto prazo", afirmou Graça Freitas. 

Ainda assim, a DGS considera "que deve ser dada a possibilidade de acesso à vacinação a qualquer adolescente com 12-15 anos de idade por indicação médica e de acordo com a calendarização da campanha de vacinação" . 

A responsável assinalou que existem em Portugal cerca de 410 mil crianças com idades entre os 12 e os 15 anos. Destas, "muitas já têm imunidade conferida pela infeção", sublinhou, referindo-se ao segundo inquérito serológico do INSA (Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge). 

Sustentando-se no parecer da comissão técnica, a DGS reitera ainda "a importância de continuar a vacinação contra a Covid-19 das pessoas com 16 ou mais anos, para abranger aqueles em que se verifica o maior número de casos" de infeção. A vacinação em massa de pessoas com mais de 16 é uma "arma potentíssima para proteger as crianças", reforçou Graça Freitas, defendendo que, ao retardar a circulação comunitária do vírus, estamos também, indiretamente, a proteger as crianças. 

A vacinação é a media mais eficaz e mais potente que temos para prevenir a Covid-19 e controlar a pandemia"

Frisando que a vacinação é "a media mais eficaz e mais potente que temos para prevenir a Covid-19 e controlar a pandemia", Graça Freitas disse que o plano de vacinação contra o vírus é "fundamental para as nossas vidas".

"As vacinas e a vacinação são um direito de todos nós, são um dever, são um ato de responsabilidade, e são também um ato de solidariedade para proteger as poucas pessoas que, infelizmente, têm uma contraindicação à vacinação, e que só podem beneficiar da vacinação dos outros", realçou, no arranque da conferência. 

Respondendo às questões dos jornalistas, Graça Freitas assumiu que o que pesou na decisão o facto de, apesar de a vacinação estar a correr muito bem em Portugal, ainda há "muitos grupos que têm um grande benefício em ser vacinados". "Com toda a serenidade, continuando o plano de vacinação, decidimos aguardar por mais informação a nível da UE". "Esse foi o grande motivo", disse.

Foi por um "princípio de cautela" que a DGS optou por manter a decisão de uma vacinação universal entre os 12 e os 15 anos "em 'standby'", reiterou em resposta ao jornalistas. "Não é uma questão de vacinar ou não vacinar, mas do tempo em que essa decisão deve ser tomada e com toda a serenidade será tomada quando tivermos mais dados, nomeadamente dados da Europa. Basta haver países europeus que publiquem os seus dados, estudos científicos sólidos que nos indiquem uma direção, nós segui-la-emos", disse.

Quanto à lista de doenças crónicas que justificam a vacinação nestas idades, a diretora da DGS garantiu que está já preparada e pronta para ser publicada, para que os médicos possam fazer a recomendação de vacinação.

[Notícia atualizada às 19h35]

Leia Também: AO MINUTO: Vacinar jovens só com comorbilidades. Abdicar de matriz é erro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório