Meteorologia

  • 30 JULHO 2021
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Centros temporários para imigrantes tiveram ano atípico em 2020

Os centros de instalação temporária de imigrantes tiveram em 2020 um "ano atípico", especialmente devido à pandemia de covid-19, que restringiu a chegada de imigrantes, diz a Provedoria de Justiça, que elogia as mudanças no centro de Lisboa.

Centros temporários para imigrantes tiveram ano atípico em 2020
Notícias ao Minuto

22:05 - 24/06/21 por Lusa

País Provedoria de Justiça

A Provedoria de Justiça entregou hoje na Assembleia da República um relatório sobre a atividade de 2020, acompanhado da atividade enquanto Mecanismo Nacional de Prevenção da Tortura (MNP), que é também da responsabilidade da Provedoria.

No relatório do MNP a Provedoria faz referência aos Centros de Instalação Temporária (CIT) e aos Espaços Equiparados a Centro de Instalação Temporária (EECIT), lembrando que nos recentes relatórios tem sempre sinalizado fatores de risco para a ocorrência de maus-tratos.

Os EECIT são os espaços de detenção em zonas internacionais dos aeroportos, e têm sido referidos nos relatórios por não terem condições, até porque foram feitos quando havia um muito menor fluxo migratório do que o verificado nos últimos anos. A ideia era que os imigrantes que não podiam entrar no país ficassem um curto espaço de tempo e fossem encaminhados para o CIT, sendo que Portugal tem apenas um CIT, no Porto.

"Atualmente, é urgente a criação de alternativas no centro e sul do país, para evitar a perpetuação de condições desumanas de detenção em EECIT. Porém, enquanto tal não se materializa, é igualmente fundamental assegurar condições dignas aos cidadãos estrangeiros que se encontrem privados da sua liberdade em EECIT", diz-se no relatório hoje divulgado.

Mas diz-se também que devido à pandemia o ano de referência do relatório foi atípico para os EECIT, quer pela restrição do número de voos e chegada de muito menos pessoas não autorizadas a entrar no país, quer pelas obras nos EECIT.

O de EECIT de Lisboa encerrou em abril para obras (na sequência da morte no local de um cidadão ucraniano, Ihor Homeniuk) e se agora tem capacidade para 43 pessoas a verdade, diz-se no relatório, é que tem hoje (devido à pandemia) uma ocupação média de duas a três pessoas, sendo as nacionalidades mais comuns a brasileira, Angola e guineense (Guiné-Bissau).

A Provedoria nota que o EECIT "está agora pensado, e bem, para estadias curtas", porque não é um local adequado para manter pessoas por muito tempo, e diz que há "uma enorme urgência de abertura de um novo CIT na área de Lisboa, que se afigura tão mais premente por ser imprescindível para viabilizar o cumprimento das novas regras do EECIT, nomeadamente quanto a este aspeto da não permanência por períodos alargados".

No relatório salienta-se os aspetos positivos de haver agora no EECIT de Lisboa um quarto de família, o facto de ser agora possível o uso de telemóvel nos quartos, faltando garantir acesso a rede "wifi" sem custos, e a garantia de acesso a advogado.

Quanto ao EECIT do Porto, lembra-se no relatório, também encerrou no ano passado para obras, depois de um protesto violento em agosto de cidadãos marroquinos, destacando a Provedoria que este era o momento para obras, mas de requalificação e transformação.

E de obras precisa também, segundo o documento, o EECIT de Faro, que está parcialmente operacional na sequência de uma fuga de pessoas, que danificaram as instalações, em julho passado.

Em relação ao único verdadeiro CIT, a Unidade Habitacional de Santo António, o documento da Provedoria salienta que as condições gerais são mais satisfatórias do que as dos EECIT. E lembra que a pandemia de covid-19 também afetou o normal funcionamento do local, quer no que respeita às visitas quer ao uso de espaços comuns.

No documento a Provedoria diz ser necessário uniformizar procedimentos nos EECIT, porque as regras não são iguais nos três aeroportos.

Leia Também: Ocupação de centros educativos em 2020 foi a menor desde 2014

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório