Meteorologia

  • 25 JULHO 2021
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

Psiquiatras dizem que saúde mental tem sido "o parente pobre da medicina"

O presidente do Colégio de Especialidade de Psiquiatria da Ordem dos Médicos, António Reis Marques, defendeu hoje que a saúde mental "tem sido o parente pobre da medicina" e que é altura de a valorizar.

Psiquiatras dizem que saúde mental tem sido "o parente pobre da medicina"
Notícias ao Minuto

16:14 - 24/06/21 por Lusa

País Covid-19

"A pandemia [de covid-19] trouxe a saúde mental para o espaço público e mediático, o que foi, apesar de tudo, importante. Até há pouco tempo, a saúde mental dizia respeito aos tolos, mas hoje a população tem noção que a saúde mental diz respeito a todos", disse na audição do grupo de trabalho para a saúde mental na Assembleia da República.

Por isso, acrescentou, "está na altura de valorizar a saúde mental, que tem sido o parente pobre da medicina", tendo por base o Programa Nacional para a Saúde Mental de modo a conduzir uma "reforma global a longo termo, modernizando o país neste assunto".

"Temos que investir muito nos recursos humanos, criar redes de apoio e proximidade na comunidade que congreguem e agreguem um conjunto de atores como as IPSS, os órgãos de poder local e os cuidados de saúde primários", frisou.

Os psiquiatras consideram que é necessário apostar, por um lado, na prevenção, através da criação "de condições no emprego, na escola e de vida que permitam um desenvolvimento harmonioso" e, por outro, na reabilitação porque "não há estruturas para isso e é necessário criá-las para que os doentes não sejam estigmatizados e ostracizados como até agora".

António Reis Marques, em relação aos efeitos da pandemia de covid-19 na população portuguesa, sublinhou que não alinha completamente "com os tons alarmistas e catastróficos de algumas análises", tomando uma abordagem cautelosa que solicita estudos que permitam comprovar a situação.

"Sabemos que o impacto tem alguma dimensão, mas é assimétrico nas idades, nas regiões, nos acessos aos cuidados, no posicionamento socioeconómico... Mas todas as pessoas o sentiram através do medo e do receio justificado", referiu.

Leia Também: Bruxelas quer reduzir a zero número de acidentes de trabalho na UE

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório