Meteorologia

  • 25 JULHO 2021
Tempo
25º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

Fechar fronteiras a britânicos? "Se for esse o entendimento, sim"

Portugal vai aplicar o que for decidido e praticado a nível europeu, disse o primeiro-ministro António Costa, em declarações aos jornalistas e Bruxelas.

Fechar fronteiras a britânicos? "Se for esse o entendimento, sim"

"Vamos discutir aqui no Conselho Europeu as decisões que vamos tomar relativamente, mais uma vez, ao controlo de entradas de pessoas originárias de países terceiros, designadamente do Reino Unido, e Portugal tem seguido a doutrina de praticar aquilo que é praticado a nível europeu", disse o primeiro-ministro à chegada ao Conselho Europeu, em Bruxelas. 

Tendo em conta a presidência da UE, "ficava-nos particularmente mal não seguirmos aquilo que é acordado a nível europeu". 

Relativamente à possibilidade de Portugal 'fechar as fronteiras' aos britânicos, ou impor quarentenas a quem viaje desde o Reino Unido, o primeiro-ministro insistiu que Portugal fará aquilo que for acordado no Conselho, como sempre o fez, e, "se for esse o entendimento, sim", pois o Reino Unido "não deve ter nenhum tratamento de exceção".

"É essa aliás a decisão que temos para um conjunto de países que preenchem os critérios para a adoção dessa medida, nomeadamente a pessoas originárias do Brasil, da Índia, do Nepal [devido às novas variantes do vírus]. Se for o Reino Unido, não deve ter nenhum tratamento de exceção e deve ser aplicada a mesma regra", defendeu. 

Críticas de Merkel? Há um "equívoco"

Relativamente às declarações de Merkel, que na terça-feira criticou a falta de regras comuns na União Europeia relativamente às viagens, dando como exemplo a situação de aumento dos contágios em Portugal, que "poderia ter sido evitada", António Costa considera que "ela tem toda a razão" quanto à necessidade de uma ação coordenada em relações às fronteiras externas e garantiu que o Governo tem seguido as diretrizes acordadas a nível da UE.

"Em Portugal temos praticado isso. Creio que há um equívoco no entendimento que tem havido sobre o que temos adotado relativamente aos britânicos, [pois] temos adotado aquilo que é a recomendação geral da UE, que é a imposição de quarentenas a países que estão acima de determinado numero de casos - os britânicos não estavam - e, por outro lado, a exigência de testes obrigatórios, o que tem sido a exigência relativamente aos britânicos", apontou.

Sobre o facto de a chanceler alemã ter apontado o caso específico de Portugal, considerou que "ela não fez bem uma crítica, pôs uma hipótese, como muita gente tem posto, relativamente a qual é a origem desta variante", Delta, que, de acordo com um novo relatório do Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC), representará 90% dos casos de covid-19 na UE em finais de agosto.

A coordenação entre os Estados-membros no combate à pandemia da covid-19 volta a ser um dos temas dominantes da cimeira de chefes de Estado e de Governo da UE que decorre entre hoje e sexta-feira em Bruxelas, na qual António Costa fará um balanço da presidência portuguesa do Conselho da UE, dado este ser o último Conselho Europeu durante o 'semestre português', que termina na próxima quarta-feira, 30 de junho.

Leia Também: AO MINUTO: "Não fazemos milagres"; Costa diz que é "inútil" mudar matriz

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório