Meteorologia

  • 05 MARçO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Ministério Público acusa de burla falsos intermediários de crédito em Gaia

O Ministério Público (MP) acusou dois arguidos de burlarem 35 pessoas ao fazerem passar-se por intermediários de crédito, entre 2016 e 2020, tendo obtido com este crime 21.470 euros, referiu hoje a Procuradoria-Geral Regional do Porto (PGR-P).

Ministério Público acusa de burla falsos intermediários de crédito em Gaia

Numa nota publicada na sua página oficial, a procuradoria adiantou que os suspeitos estão acusados, pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Vila Nova de Gaia, de um crime de burla qualificada, estando a aguardar julgamento em prisão preventiva, a medida de coação mais gravosa.

Um dos arguidos já foi condenado pela prática de crimes semelhantes.

Segundo o MP de Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, os arguidos traçaram, entre julho de 2016 e abril de 2020, um plano para fazer crer a pessoas com dificuldades financeiras e sem acesso a crédito nos circuitos financeiros legais que tinham condições de intermediar a concessão, obtendo-os de forma rápida e eficaz.

"Através de anúncios publicados em jornais levavam os interessados a emitir cheques ao portador no valor de 150 euros até perfazer o valor a financiar, afirmando destinarem-se a garantir o cumprimento das prestações futuras e ao pagamento da comissão que cobravam pelo serviço prestado que variava entre os 150 e 900 euros", explicou.

Contudo, e segundo a acusação mencionada na nota da PGR-P, os detidos acabavam por depositar os cheques nas contas indicadas pelos ofendidos para rececionar os créditos, apropriando-se do valor das comissões.

A apresentação a pagamento dos cheques emitidos para garantia causava aos ofendidos despesas bancárias, já que as mesmas ficavam a descoberto, ficando estes igualmente privados do valor das comissões.

"O serviço prometido nunca lhes seria prestado, já que os arguidos não estavam autorizados a operar no mercado financeiro, não tinham ligação profissional ou contratual com instituições de crédito, não tinham capacidade financeira, nem contactavam terceiros com objetivo de conseguir financiamentos", sublinhou o MP.

A acusação realçou que os arguidos lesaram 35 pessoas, obtendo com a prática deste crime 21.470 euros.

O MP pediu que este valor fosse declarado perdido a favor do Estado, salientou a procuradoria.

Leia Também: MP acusou homem que furou isolamento para ir ao hospital de Guimarães

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório