Meteorologia

  • 05 MARçO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Polícia "atuou e bem" quando dispersou manifestantes contra Ventura

O presidente do PSD considerou hoje que a polícia "atuou e bem" quando dispersou manifestantes que atiraram pedras e outros objetos ao líder do Chega e candidato presidencial, André Ventura, afirmando que lhe é "indiferente" o partido em causa.

Polícia "atuou e bem" quando dispersou manifestantes contra Ventura

"Condeno a atuação das pessoas que foram para lá perturbar. Não condeno em nada a atuação da polícia. Bem pelo contrário. A polícia existe para repor a ordem. O que a polícia fez foi impor a ordem a alguns desordeiros que não se sabem comportar num país democrático", sustentou Rui Rio.

No Porto, à margem de uma conferência de imprensa marcada para reagir à decisão do Governo de encerrar as escolas a partir de sexta-feira devidos aos máximos diários de mortes e infeções pelo novo coronavírus, Rui Rio foi questionado sobre o episódio que marcou a tarde de campanha eleitoral de André Ventura, em Setúbal.

"É-me completamente indiferente qual era o partido que se pretendia agredir -- se era de direita ou de esquerda, de cima ou de baixo -- toda a gente tem de cumprir e quando não cumprem, a polícia tem de atuar. [A polícia] atuou e bem", referiu o líder do PSD.

Esta tarde, em Setúbal, vários manifestantes, na sua maioria cidadãos de etnia cigana, atiraram pedras e outros objetos ao líder do Chega, André Ventura, em protesto contra as ideias do candidato, que acusa aqueles cidadãos de viverem à custa do rendimento mínimo.

O corpo de intervenção da Polícia de Segurança Pública esteve no local e usou da força para dispersar os manifestantes, em ambiente de grande tensão, registando-se uma detenção.

O líder e deputado do Chega chegou a defender, no início da pandemia, em março de 2020, um plano específico de "abordagem e confinamento" para as comunidades ciganas, e nos debates televisivos tem-nas acusado de viverem "à custa" do RSI (Rendimento Social de Inserção).

O candidato a Belém tem sido recebido por alguns protestos nas suas iniciativas ao longo do país e no primeiro dia de campanha oficial (10), em Serpa, no Alentejo, clamou "vão trabalhar" a um conjunto de manifestantes, a maioria de etnia cigana e outros com cartazes antifascistas.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para domingo e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

A campanha eleitoral termina na sexta-feira. Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), o ex-militante do PS Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans e presidente do RIR - Reagir, Incluir, Reciclar, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

Leia Também: Arremesso de pedras em ação de campanha de André Ventura

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório