Meteorologia

  • 27 JANEIRO 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Pandemia "destapou" desigualdades que escolas ajudam a combater

O ex-ministro da Educação Eduardo Marçal Grilo afirmou hoje que a pandemia da covid-19 "veio destapar a pobreza e as desigualdades", acentuando que as escolas podem ajudar a combater as desigualdades "educando as pessoas".

Pandemia "destapou" desigualdades que escolas ajudam a combater
Notícias ao Minuto

19:54 - 14/01/21 por Lusa

País Covid-19

Marçal Grilo, que foi ministro da Educação no primeiro Governo socialista de António Guterres, entre 1995 e 1999, foi o orador convidado de uma videoconferência promovida pela Federação Nacional da Educação (FNE).

Para o presidente do Conselho Geral da Universidade de Aveiro, a escola, não sendo capaz de "combater per si" a pobreza e as desigualdades, que "a pandemia veio destapar", tem "um papel a desempenhar, sobretudo nas desigualdades, educando as pessoas".

Eduardo Marçal Grilo enalteceu, no entanto, que a pandemia da covid-19 "mostrou que as escolas, os professores, os diretores (...) tiveram a capacidade de executar, pôr no terreno algumas soluções alternativas ao ensino presencial que surpreenderam muita gente".

"A mim não me surpreenderam", admitiu.

Em março e em abril de 2020, durante o primeiro confinamento generalizado em Portugal devido à pandemia da covid-19, as escolas estiveram encerradas, fazendo-se o ensino à distância através de plataformas digitais e com o apoio da telescola. As escolas apenas reabriram em maio para os alunos dos 11.º e 12.ºanos que tinham de fazer exames nacionais de acesso à universidade.

Em setembro, no início do novo ano escolar, todas as escolas reabriram ao ensino presencial e assim se manterão, não obstante o país entrar na sexta-feira num novo confinamento generalizado devido ao agravamento da situação epidemiológica. O Governo considera que o ensino à distância prejudica a aprendizagem dos alunos, em especial dos mais carenciados.

O antigo ministro da Educação defende que as tecnologias digitais "sejam usadas para enriquecer o ensino presencial", cabendo à escola, no quadro da sua autonomia pedagógica, fazer "uma avaliação muito rigorosa do que correu bem e mal nos meses do primeiro confinamento geral".

Eduardo Marçal Grilo participou hoje na primeira videoconferência do ciclo "Que caminhos para a escola na pós-pandemia?", que a FNE promove até abril.

A pandemia da covid-19 provocou pelo menos 1.979.596 mortos resultantes de mais de 92,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.384 pessoas dos 517.806 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

O país registou hoje um novo máximo diário de infeções, 10.698, e mais 148 mortes. Na quarta-feira, o número de mortos diário comunicado, 156, foi o mais elevado desde o início da pandemia.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório