Meteorologia

  • 08 MARçO 2021
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Sindicato exige medidas extraordinárias nas escolas

O Sindicato Independente dos Professores e Educadores (SIPE) insistiu hoje na necessidade de medidas extraordinárias nas escolas, face à decisão do Governo de manter abertos os estabelecimentos de ensino durante o novo período de confinamento geral anunciado na quarta-feira.

Sindicato exige medidas extraordinárias nas escolas
Notícias ao Minuto

13:32 - 14/01/21 por Lusa

País Covid-19

Num comunicado em que reage à decisão do Governo, o SIPE defendeu que são necessárias medidas de proteção dos professores e dos alunos, perante a pandemia de covid-19, nomeadamente a prioridade na vacinação dos docentes e a atribuição de um subsídio de risco.

No documento hoje divulgado, a estrutura sindical exigiu o prolongamento do período de 30 dias de faltas justificadas, "atribuído mediante apresentação de declaração médica aos docentes que pertençam a grupos de risco para a covid-19".

Melhores condições de segurança, com reorganização de espaços e disponibilização de equipamento para proteção de alunos e professores em todos os estabelecimentos de ensino, nomeadamente máscaras descartáveis, acrílicos de proteção e dispensadores de álcool gel, são outras medidas sugeridas.

Para o SIPE, as medidas anunciadas configuram "um confinamento parcial", uma vez que "dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente com tudo o que isso implica".

O sindicato discorda da decisão de não fechar as escolas e receia que "os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais" a que os portugueses estarão sujeitos durante este período, de nada sirvam e não surtam qualquer efeito devido a esta opção do executivo.

O diretor de serviço de medicina intensiva do Hospital de São João, no Porto, defendeu na quarta-feira o encerramento das escolas, uma medida "contra" a sua "convicção natural", mas que considerou "essencial" num momento "horribilis" do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Num primeira reação, na quarta-feira, o sindicato disse que pretende que os professores tenham acesso prioritário à vacina e que sejam realizados testes rápidos nas escolas a todo o pessoal, docente e não docente, bem como aos alunos.

A medida, segundo o SIPE, "deveria ter entrado em vigor no início do ano letivo".

A atribuição aos docentes de um subsídio de risco correspondente ao serviço prestado durante este período de confinamento geral é outra das reivindicações.

Vários partidos defenderam medidas de proteção para professores e auxiliares contra a covid-19, entre as quais a testagem e a vacinação.

Segundo o primeiro-ministro, António Costa, as escolas vão ter uma "campanha permanente" de testes antigénio para despistar casos de infeção de covid-19.

A pandemia provocou pelo menos 1.979.596 mortes resultantes de mais de 92,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.236 pessoas, em 507.108 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório