Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2020
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Ex-ministro da Saúde Adalberto Campos diz que é "tempo de unidade"

O ex-ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes afirmou hoje que é "tempo de unidade no país" e é preciso "falar verdade" quanto à pandemia da covid-19, considerando que um novo confinamento generalizado "seria devastador".

Ex-ministro da Saúde Adalberto Campos diz que é "tempo de unidade"
Notícias ao Minuto

20:35 - 27/10/20 por Lusa

País Covid-19

Adalberto Campos Fernandes falava aos jornalistas, no Palácio Belém, em Lisboa, após uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que elogiou por dar "um sinal" de que "compreende as preocupações de todos" e "é sensível às necessidades".

"Temos momentos muito difíceis pela frente", disse o antecessor da ministra Marta Temido, advogando que é "tempo de unidade no país" e é preciso "falar verdade".

Segundo Adalberto Campos Fernandes, que expressou "confiança total na capacidade de decisão", é necessário "mobilizar o país, todos os recursos, pensar nas pessoas e deixar de lado questões de retórica".

O especialista em saúde pública defende a aplicação, de "forma transparente", de mapas de risco pandémico, envolvendo as comunidades e autarquias, para adequar as medidas à realidade local.

"Tratar diferente aquilo que é diferente", enfatizou, argumentando que "o país não pode fechar, não pode parar".

"Um confinamento global seria devastador", frisou, sustentando que é preciso "proteger a economia, o emprego".

Para Adalberto Campos Fernandes, é necessário continuar a proteger os profissionais de saúde e os mais idosos (os mais expostos e vulneráveis à infeção) e "ajudar as autoridades de saúde e quem tem responsabilidade política".

Campos Fernandes foi ministro da Saúde entre 2015 e 2018, no primeiro governo liderado por António Costa.

A audiência de Adalberto Campos Fernandes foi antecedida da de Paulo Macedo, que foi ministro da Saúde entre 2011 e 2015, no Governo PSD-CDS/PP de Pedro Passos Coelho.

O atual presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos optou por não falar aos jornalistas no final da audiência com o chefe de Estado, que tem estado a ouvir personalidades que estão ou estiveram ligadas à saúde por causa do agravamento da pandemia em Portugal.

A pandemia da covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.371 pessoas dos 124.432 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China, e que se disseminou rapidamente pelo mundo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório