Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

Trabalhadores da administração local partem em protesto em direção à AR

Algumas centenas de trabalhadores da administração local partiram pelas 10h45 de hoje da Avenida Braamcamp, em Lisboa, em direção à Assembleia da República para reivindicar a atualização salarial e a aplicação do suplemento de insalubridade, penosidade e risco.

Trabalhadores da administração local partem em protesto em direção à AR
Notícias ao Minuto

11:19 - 23/10/20 por Lusa

País protesto

Os trabalhadores são oriundos de diferentes zonas do país, como Coimbra, Aveiro, Beja Setúbal, Braga, Porto e Lisboa, e iniciaram o percurso segurando cordas em três filas para manterem o distanciamento social, devido à pandemia de covid-19.

Durante a marcha, os manifestantes têm gritado palavras de ordem como "o risco é diário e o suplemento é necessário", "basta de engonhar, o suplemento é para aplicar", "o trabalho é um direito, sem ele nada feito" e "Governo escuta, os trabalhadores estão em luta".

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) está a realizar hoje uma marcha em Lisboa para dizer ao Governo que a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2021 é "uma mão cheia de coisa nenhuma" quanto às reivindicações do setor.

"O Governo não dá resposta a nenhuma das reivindicações e queríamos sobretudo dar destaque também ao prosseguimento da luta sobre a regulamentação do suplemento de insalubridade, penosidade e risco", disse anteriormente à Lusa o presidente do STAL, José Correia.

De acordo com o sindicalista, ao colocar estes suplementos na proposta de OE2021, o Governo "está a fingir que está recetivo à aplicação deste suplemento", destinado a quem exerce profissões com certo nível de penosidade e de risco, previstos numa lei da Assembleia da República com 22 anos e que nunca foi cumprida.

"Cria a ilusão de que cria condições para regulamentar desta vez, mas a proposta que lá está é um recuo muito grande em relação à lei que já está publicada, porque o Governo restringe o universo de trabalhadores, restringe o universo de atividades a englobar e cria a ilusão de que, durante o primeiro semestre, ainda é possível, através de uma negociação, aplicar os suplementos", acrescentou.

José Correia destacou que a proposta "não só não dá garantias como era absolutamente desnecessária", sendo "apenas uma maquilhagem política, porque o que está agora no Orçamento do Estado já está na lei".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório