Meteorologia

  • 26 NOVEMBRO 2020
Tempo
MIN 8º MÁX 15º

Edição

Publicidade para menores? São necessárias "medidas excecionais"

A Ordem dos Nutricionistas defendeu hoje que devido à situação pandémica devia ser avaliado já o impacto da lei que restringe a publicidade dirigida a menores de alimentos com muito açúcar e sal, porque os hábitos alimentares mudaram para pior.

Publicidade para menores? São necessárias "medidas excecionais"
Notícias ao Minuto

10:33 - 23/10/20 por Lusa

País Ordem dos Nutricionistas

A lei que impõe restrições à publicidade dirigida a menores de 16 anos de géneros alimentícios e bebidas que contenham elevado valor energético, teor de sal, açúcar, ácidos gordos saturados e ácidos gordos transformados entrou em vigor há um ano e o seu impacto deveria ser avaliado a cada cinco anos.

No entanto, a bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, defendeu, em declarações à agência Lusa, que esta análise deveria ser feita de forma mais célere possível.

"Passou somente um ano, mas um ano verdadeiramente atípico e, portanto, nós fazermos a monitorização de alguns indicadores seria muito importante", porque "podemos ter alguma perceção, mas não sabemos realmente o que passou", adiantou.

Alexandra Bento afirmou que a pandemia e as regras sanitárias que foram impostas podem, de alguma maneira, ter afastado as crianças e os jovens de uma alimentação saudável e, porventura, terem estado "muito mais expostos à publicidade" porque estiverem "muito mais tempo em frente à televisão, aos computadores, ao ecrã do seu telemóvel".

"Estiveram muito mais expostos à publicidade sem sabermos se essa publicidade foi dentro das regras ou até eventualmente fugindo à regra porque fugiu à malha da fiscalização". Por isso, defendeu, "para períodos excecionais, medidas excecionais".

"Se temos visto estas medidas excecionais em outras áreas no que diz respeito a este período pandémico eu acho que também temos que ver medidas excecionais no que diz respeito à alimentação", disse, questionando porque é que não se faz já uma avaliação do impacto desta medida legislativa.

Para Alexandre Bento, seria muito importante saber os padrões de consumo alimentar que as crianças e os jovens tiveram durante este tempo.

"A Direção-Geral da Saúde fez um estudo relativamente aos hábitos alimentares da população em contexto de contenção social, mas que nem tão pouco incluiu crianças e jovens", lamentou.

"Estas interrogações que nós podemos lançar não podem ficar por interrogações", disse, reiterando que este seria "o momento" de fazer esta avaliação.

Este ano todos ficaram "a perceber verdadeiramente que é uma pandemia", mas "há outra pandemia que esteve por trás desta medida legislativa, que foi a pandemia da obesidade" que não se pode esquecer.

"Foi precisamente a pandemia da obesidade que impulsionou esta medida legislativa e nós até estávamos no bom caminho no que diz respeito a uma tendência invertida relativamente à prevalência de excesso de peso e da obesidade", salientou.

Nos últimos anos, Portugal estava a conseguir diminuir a prevalência de excesso de peso e da obesidade, "mas com indicadores ainda muito preocupantes".

"Dizer que 12% das crianças em Portugal têm este problema não é questão de somenos, mas sabíamos que estávamos a inverter este indicador".

A publicidade a alimentos com elevado teor de açúcar, sal e gordura como os chocolates, barras energéticas e refrigerantes, está proibida há um ano num raio de 100 metros das escolas e em programas infantis de televisão e rádio.

As multas para quem violar a lei variam entre os 1.750 a 3.750 euros para pessoa singular e entre 3.500 a 45 mil euros para empresas, cabendo à Direção-Geral do Consumidor fiscalizar o seu cumprimento.

Entre 2008 e 2019, caiu de 37,9% para 29,6% a prevalência de excesso peso infantil e de 15,3% para 12,0% a de obesidade nas crianças, um valor que fez Portugal melhorar na tabela dos estados europeus que participam no 'Childhood Obesity Surveillance Initiative' (COSI) da OMS/Europa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório