Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

PSD e CDS destacam "bom funcionamento" da coligação no Governo da Madeira

O presidente do primeiro governo de coligação da Região Autónoma da Madeira, Miguel Albuquerque, afirma que o executivo PSD/CDS-PP tem funcionado em "unidade e concertação" e considera que a oposição regional está "em coma".

PSD e CDS destacam "bom funcionamento" da coligação no Governo da Madeira
Notícias ao Minuto

09:39 - 15/10/20 por Lusa

País Madeira

"Nós trabalhamos em unidade e a coligação tem funcionado muito bem. Não tem havido qualquer problema", disse à agência Lusa, quando se assinala o primeiro ano de mandato, reforçando: "Não foi uma coligação casuística. Assinámos um programa e um acordo de princípios entre os dois partidos e depois consubstanciámos num programa de governo que está sufragado pela população."

Em 15 de outubro de 2019 tomou posse o XIII Governo Regional da Madeira, o primeiro de coligação em 43 anos de democracia, tendo como parceiro o CDS-PP, depois de o PSD, liderado por Miguel Albuquerque, ter perdido pela primeira vez a maioria absoluta que sempre detivera no arquipélago, nas eleições legislativas regionais de 22 de setembro desse ano.

"Quando iniciámos o mandato, estávamos com um crescimento económico há 81 meses, atingimos o valor mais alto do Produto Interno Bruto desde sempre - cerca de cinco mil milhões de euros - e estávamos com uma taxa de desemprego inferior a 8%", lembrou, realçando que a crise pandémica, a partir de fevereiro de 2020, "alterou completamente as circunstâncias e obrigou à reformulação das prioridades".

Miguel Albuquerque assegurou que a coligação governativa manteve a "unidade" e a "concertação", sobretudo no período de emergência, em que foram tomadas "medidas difíceis", mas sempre "em conformidade" com os objetivos.

"A reformulação das prioridades foi muito simples: primeiro, a salvaguarda da vida e da saúde pública da nossa população e, posteriormente, todo o apoio para a manutenção do funcionamento das empresas, sobretudo as mais afetadas, ligadas ao setor e à indústria do turismo, o apoio maciço às famílias e ao rendimento dos cidadãos", explicou.

O presidente do executivo desvaloriza, por isso, a opinião dos partidos da oposição com assento parlamentar - PS, JPP e PCP -, que consideram o governo de coligação "mais do mesmo", "despesista" e "subjugado aos grandes interesses económicos".

"Ainda bem que é mais do mesmo, porque é um governo que aposta no crescimento económico, que aposta na valorização da coesão social, que aposta no desenvolvimento integral da região e a oposição, de facto, está pior do que estava", declarou.

Miguel Albuquerque critica, sobretudo, o PS/Madeira, o maior partido da oposição regional, afirmando estar "em perfeito coma", "sem programa" e com um "líder fraquíssimo" (Paulo Cafôfo).

"É uma liderança que não tem consistência, não tem capacidade para apresentar uma alternativa, é demasiado fraca", reforçou.

Por seu turno, o líder do CDS/Madeira, força partidária parceiro na coligação governamental, considerou que este projeto é "um momento histórico" que acontece pela primeira vez na região.

Rui Barreto, que ocupa o cargo de secretário da Economia no executivo madeirense, destacou que este primeiro ano do atual Governo Regional fica "marcado pela pandemia" da covid-19, realçando a "capacidade revelada para conter a propagação da covid-19 na região".

O governante admitiu ser "natural que existam divergências nalguns aspetos da governação", mas sustenta que "nunca houve bloqueio da parte do PSD na resolução dos assuntos" e que "sempre houve abertura, frontalidade e há uma noção de compromisso entre as duas partes, e isso tem levado sempre à superação dos problemas".

Para Rui Barreto, existem "três princípios que têm presidido à coligação: coesão, compromisso e responsabilidade". O Governo da Madeira, destacou, "está coeso e, certamente, nem o CDS nem o PSD desistirão do seu compromisso com todos os madeirenses".

O responsável centrista madeirense enalteceu também "a capacidade com que o executivo da região respondeu aos pedidos de ajuda de todos os setores da sociedade madeirense" nesta crise provocada pela pandemia.

No seu entender, o executivo tem sido "capaz de, num tempo muito curto e com meios exclusivamente do Orçamento Regional, criar um conjunto de medidas de apoio e de relançamento económico capazes de manter viva a esperança dos empresários e de milhares de trabalhadores".

"Todas as medidas de apoio às empresas e às famílias que o Governo Regional da Madeira implementou foram desenhadas exclusivamente com as verbas do Orçamento Regional, sendo que, da República, até agora não chegou nada", sublinhou.

Rui Barreto realçou também "a forma empenhada e arrojada" como ele próprio e o secretário centrista que tutela o Mar e as Pescas, Teófilo Cunha, "enfrentaram os desafios colocados pela pandemia global associada ao covid-19", considerando que "neste primeiro ano de governo há uma marca do trabalho desenvolvido pelo CDS no governo que merece nota positiva".

Na sua opinião, "o arrojo, a criatividade, a rapidez de execução e o empenho são marcas do CDS no Governo da Madeira, fazendo valer a pena todos os votos no partido".

O balanço, acrescentou, "prova que a presença do partido no executivo é uma mais-valia para a região".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório