Meteorologia

  • 10 JULHO 2020
Tempo
24º
MIN 18º MÁX 31º

Edição

Imunidade de grupo causaria demasiados mortos, diz médico chinês

O médico chinês Chunming Yan, radicado em Portugal há 15 anos, considera que nenhum país consegue suportar o custo social de "milhares de mortos" para atingir a imunidade de grupo face ao novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19.

Imunidade de grupo causaria demasiados mortos, diz médico chinês
Notícias ao Minuto

11:20 - 04/06/20 por Lusa

País Covid-19

"Quando nós falamos de imunidade de grupo nenhum país consegue suportar o resultado", afirmou, em entrevista à Lusa, Chunming Yan.

Com uma taxa de letalidade de "sete por cento" entre os infetados e num contexto em que a imunidade de grupo só se atinge quando "60 ou 70 por cento das pessoas" tiverem contacto com a doença, isso significaria, só no caso de Portugal, mais de uma centena de milhar de mortos, disse o médico, licenciado em medicina integrada na China, que inclui ciência ocidental e práticas tradicionais.

A melhor solução, defendeu, é manter restrições para diminuir e controlar a presença do vírus, até porque a esperança que seja encontrada uma vacina pode não se concretizar. O coronavírus responsável pelo SARS surgiu em 2003 e até hoje ainda não foi descoberta qualquer vacina, recordou Chunming Yan.

"Temos a esperança de se conseguir obter em breve a primeira vacina" para a covid-19 e só depois será possível o regresso total à normalidade.

A viver em Portugal há 15 anos, Chunming Yan nunca se sentiu discriminado por causa da pandemia ou do discurso que associa a doença ao "vírus da China".

"O povo português é um povo muito diferente de outros países europeu" e "não tem a opinião de discriminar outros imigrantes", disse, salientando que nunca sentiu qualquer tipo de racismo ou atitudes xenófobas por parte dos portugueses.

Pai de dois filhos, nascidos em Portugal, e casado com uma portuguesa, o médico chinês, que vive em Cantanhede, espera que as escolas e o sistema de ensino cumpram as "regras da Direção Geral da Saúde" para acolher as crianças.

"As escolas devem cumprir bem as regras" perante o risco de "novas contaminações" por parte dos alunos, avisou.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 382 mil mortos e infetou mais de 6,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.447 pessoas das 33.261 confirmadas como infetadas, e há 20.079 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório