Meteorologia

  • 04 JULHO 2020
Tempo
33º
MIN 16º MÁX 34º

Edição

FCT aposta no digital para "não deixar ninguém para trás"

À medida que o desconfinamento vai avançando, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL) está a avaliar novas metodologias de ensino e atenta às dificuldades sentidas por muitos alunos.

FCT aposta no digital para "não deixar ninguém para trás"

O reitor da UNL, João Sàágua, acredita que reação às contingências levantadas pela pandemia de covid-19 foi a melhor e olha já para o futuro. Nesse domínio, chegam à UNL relatos de dificuldades económicas de muitos alunos e o reitor promete medidas dirigidas.

"Estamos a reforçar os fundos de emergência de ação social para que ninguém deixe de estudar na Universidade Nova por uma limitação económica. A UNL é uma instituição pública e não deixa ninguém para trás", garante.

Por outro lado, lembra que a possibilidade de uma segunda vaga da pandemia está já também a ser equacionada e pretende que a resposta seja ainda mais ajustada do que a registada durante o estado de emergência.

"Do ponto de vista da atividade do próximo ano, e analisando o comportamento da pandemia, procuraremos garantir que o ensino possa ter uma dimensão presencial, mas temos de estar preparados para uma alternativa, que obviamente passará por um ensino à distância de qualidade. E só a combinação das duas modalidades, ensino à distância e presencial, poderá garantir um ensino de qualidade", sublinha João Sàágua.

Localizada na Costa de Caparica, em Almada, o campus da FCT acolhia diariamente uma média de 11.000 pessoas, das quais 8.500 alunos. Confrontada com a pandemia, em dois dias a direção decidiu que a faculdade devia ser encerrada e o ensino realizado à distância. Um desafio que o diretor da FCT, Virgílio Machado, encarou com confiança.

"Somos uma escola de tecnologia e não foi nada difícil para nós implementar este sistema, até porque na faculdade já existia um departamento de 'e-learning' que há mais de 20 anos fazia trabalho neste sentido. Este processo foi apenas um incentivador para alargar em tempo muito curto esta prática", explica o diretor à Lusa, louvando o "empenho de todos" e "a capacidade de inovação" de professores e docentes.

Embora reconheça méritos ao sistema de ensino à distância, Virgílio Machado admite que a necessidade de "meter as mãos nos projetos", uma das "imagens de marca" da faculdade, obriga à presença física e que esse é o grande desafio que a instituição terá nos próximos meses.

"Estamos a tratar aspetos logísticos para conciliar o ensino à distância com o ensino presencial, tentando perceber como podemos, mais eficientemente, utilizar algumas ferramentas que esta oportunidade nos deu a conhecer", afirma o diretor da FCT.

João Sàágua vai mais longe e acredita que o ensino jamais voltará a ser o mesmo depois da pandemia de covid-19.

"O ensino do século XXI vai ter de sofrer uma transformação digital. Este processo que encarámos, que foi um ensino à distância de emergência, foi um acelerador da transformação digital do ensino que é necessário fazer", advoga o reitor, sublinhando que a mudança terá de envolver forçosamente o ensino presencial, "que dá uma experiência diferente e de mais valia incomparável".

Portugal contabiliza 1.190 mortos associados à covid-19 em 28.583 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório