Meteorologia

  • 31 MARçO 2020
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 13º

Edição

Enfermeiros de lar de Resende fazem turnos 24h. "Estamos abandonados"

Profissional de saúde acusa os meios nacionais de não darem resposta às entidades locais, que estão a fazer tudo o que podem para resolver a situação.

Enfermeiros de lar de Resende fazem turnos 24h. "Estamos abandonados"

A Unidade de Cuidados Continuados da Santa Casa da Misericórdia de Resende, distrito de Viseu, está a viver um verdadeiro pesadelo, na sequência da pandemia do novo coronavírus. Tem 22 infetados e 32 funcionários em quarentena.

A falta de meios para dar resposta aos utentes é notória. Há apenas três enfermeiros para todo o lar, que estão, segundo o que um dos profissionais de saúde contou à TVI, a fazer turnos de 24 horas.

“Estamos três enfermeiros em funções em regime de 24 horas com curtos períodos de descanso para conseguirmos dar respostas a todas as necessidades”, começa por contar o enfermeiro do lar, assegurando que o colega que acabou de render “está a atingir o limite das suas capacidades físicas e, essencialmente, mentais para desempenhar as suas funções de forma segura e prestar os melhores cuidados a estes utentes”.

O enfermeiro diz que a instituição ativou o plano de contingência, depois de uma utente deste lar, que tinha 94 anos, ter morrido com Covid-19, mas que os poucos funcionários que estão a trabalhar não estão a conseguir efetuar todo o trabalho que existe.

“Nós não estamos a conseguir dar conta. São demasiadas horas, demasiado trabalho, estamos a atingir o nosso limite, estamos numa fase de loucura. Não temos possibilidade de ser substituídos neste momento porque os nossos recursos estão cada vez mais escassos e vamos chegar a um ponto que, eventualmente, vamos deixar de conseguir dar resposta a estes utentes”, afirma.

O enfermeiro garante que não há problemas com o stock de proteção individual no lar, mas volta a frisar que não há recursos suficientes para cuidar dos utentes e que os funcionários que estão a trabalhar estão a chegar ao seu limite.

“Como devem imaginar é de um desgaste tremendo, coloca-nos sobre risco de erro a cada vez mais a cada dia que passa. Como nós não somos robots, vamos chegar a um ponto que não vamos ser capazes de prestar os devidos cuidados e ser totalmente competentes”, elucida já desesperado.

A falta de respostas para estes funcionários, segundo o profissional de saúde, não é da responsabilidade das entidades locais, mas sim dos meios nacionais.

“Quem tem a capacidade de nos dar resposta, nomeadamente, os meios nacionais, não o está a fazer. As nossas entidades locais estão em articulação connosco, estão a mover todos os esforços possíveis e impossíveis para nos ajudar, mas os meios nacionais não nos dão se quer resposta”, acusa.

Já em jeito de conclusão, o enfermeiro diz que sentimento é de abandono e prevê que, se as autoridades de saúde não derem resposta a este problema, “algo mais grave ainda” possa acontecer. “Estamos completamente abandonados, sem resposta, sem previsão de nada, com uma equipa cada vez mais cansada, quase a atingir o seu limite de desempenho e está muita coisa em risco. Apelo para que alguém se mexa o mais rápido possível de forma a evitar que algo ainda mais grave ainda aconteça”, refere.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório