Meteorologia

  • 06 JUNHO 2020
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Edição

Foi feita uma "grande pressão" para o português sair do navio

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que foi "feita permanentemente" uma "grande pressão" para que o português infetado com Covid-19 fosse transferido do navio de cruzeiros para um hospital, mas ressalvou que "quem manda no Japão é o Japão".

Foi feita uma "grande pressão" para o português sair do navio

O chefe de Estado falava aos jornalistas no final de uma visita à Academia do Johnson, em Alfragide, Amadora (distrito de Lisboa), quando foi questionado sobre o único português infetado, que está internado no Japão.

Marcelo Rebelo de Sousa explicou que o desembarque "demorava tempo", e era feito tendo em conta critérios como "a ordem de gravidade das situações do ponto de vista das autoridades sanitárias japonesas".

"Era preciso fazer uma grande pressão, que foi feita permanentemente, para deixar passar alguém que estava numa situação que, para eles, era menos crítica, porque era assintomática, porque durante muito tempo não tinha sintomas tão graves como outros tinham", sublinhou o Presidente, identificando que "explicar isso a uma pessoa é muito difícil, e explicar a quem está aqui à distância e quer estar com o marido, e que sofre, era quase impossível", acrescentou.

O Presidente da República adiantou igualmente que "ia falando várias vezes ao longo deste tempo" com a mulher de Adriano Maranhão, Emmanuelle, mas nunca conseguiu falar diretamente com ele.

"Tentei falar com ele, nunca consegui (...), mas o que acontece é que é compreensível o estado de espírito dele, até quanto mais eu me empenhava, mais ele estava convencido que era eu que podia resolver o problema, e não percebia que estava o embaixador, estava Ministérios dos Negócios Estrangeiros, estava Ministério da Saúde estava toda a gente, Direção-geral da Saúde, a puxar por aquele caso mas enfim, foi possível a transferência", referiu.

O Presidente apontou que "uma pessoa que é apanhada de surpresa, sabe que está naquela situação, fica fechado numa cabine, fica sem saber bem qual é o seu estado de saúde, começa, como toda a gente que está solitária e longe da família, começa a empreender e a ficar angustiada e nervosa, e a transmitir cá para fora o seu estado de alma".

"E é muito difícil explicar a essa pessoa, como foi difícil explicar à sua esposa, à senhora Emmanuelle, que as autoridades estavam a fazer os impossíveis, que quem manda no Japão é o Japão, são as autoridades japonesas, que as autoridades japonesas estavam perante um facto novo, primeiro a situação dos passageiros, depois a situação dos tripulantes", assinalou.

A mulher de Adriano Maranhão, o português infetado com o coronavírus Covid-19, avançou hoje que o gabinete da Presidência da República garantiu estar a tratar "de um canal de comunicação" para fazer a ponte e acompanhar a situação do marido.

Em declarações à Lusa via telefone, Emanuelle Maranhão explicou ter falado com "alguém do gabinete do Presidente da Republica" que lhe deu a garantia de estar a "tratar de abrir um canal de comunicação que faça a ponte".

"Depois de ter falado com ele, fiz os contactos com a embaixada para dar conta daquilo que sabia e com a Presidência da República", explicou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório