Meteorologia

  • 20 JULHO 2019
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 20º

Edição

"Salvar vidas não é crime". Português enfrenta justiça e pede ajuda

Jovem português foi constituído arguido, a par de outras nove pessoas, por ajudar a retirar migrantes do mar que corriam o risco de morrer.

Miguel Duarte tinha apenas 24 anos quando, ao ver notícias sobre as tragédias no mar relacionadas com os refugiados, decidiu que era a sua vez de ajudar estas pessoas.

Assim, em 2016, juntou-se à organização não-governamental alemã Jugend Rettet e partiu para o alto-mar.

“Ao fim de um ano tinha salvo 14 mil pessoas”, diz Miguel Duarte num vídeo publicado no YouTube pela Humans Before Borders, no qual apela à ajuda de todos.

Este apelo surge na sequência de ter sido constituído arguido pelo governo italiano por suspeitas do crime de auxílio à imigração ilegal.

No referido vídeo, Miguel explica como decidiu que deveria fazer alguma coisa pelos milhares de refugiados que arriscam as suas vidas em alto-mar para fugirem à miséria e à guerra nos seus países de origem.

O jovem português garante que “há memórias que nunca vão sair” da sua cabeça, pois viu “milhares de homens, mulheres e crianças em completo sofrimento”.

“Basta um dia no mar para vermos que não vêm por escolha própria”, frisa Miguel, lembrando que, pese embora tenha, juntamente com a tripulação do navio Iuventa, ajudado a salvar “muitas pessoas”, também “perdemos muitas pessoas”.

Apesar de ter sido constituído arguido por salvar pessoas de morrerem afogadas no mar, Miguel garante que “tirar estas pessoas da água é o que está certo” e, por isso, faz um apelo: “Venho pedir ajuda para lutar contra esta injustiça e para que a solidariedade não se torne um crime”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório