Meteorologia

  • 21 JUNHO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Cartazes de teor xenófobo na ULisboa acabam em processo disciplinar

A Universidade de Lisboa vai abrir um processo disciplinar num caso de comentários xenófobos dirigidos a estudantes brasileiros de mestrado esta segunda-feira ocorrido e atribuído a um grupo de humor e sátira da Faculdade de Direito da instituição.

Cartazes de teor xenófobo na ULisboa acabam em processo disciplinar
Notícias ao Minuto

19:01 - 29/04/19 por Lusa

País Faculdade de Direito

Contactado pela Lusa, o reitor da Universidade de Lisboa (ULisboa), António Cruz Serra, confirmou que vai avançar com um processo disciplinar ao sucedido esta segunda-feira na Faculdade de Direito.

"Não é admissível na ULisboa nenhum comportamento de xenofobia e serão tomadas posições para punir exemplarmente os responsáveis", disse à Lusa o reitor, que associa o caso às eleições para a associação académica da faculdade, cujas ações de campanha estão a decorrer.

Em causa está a exposição nos corredores da faculdade de cartazes com frases de teor xenófobo.

Colado a uma caixa de madeira colocada no chão, lia-se num cartaz: "Grátis se for para atirar a um zuca (que passou à frente no mestrado)".

Na caixa, identificada por outro cartaz como 'Loja de Souvenirs', estavam pedras, disse à Lusa Flora Almeida, uma das estudantes brasileiras de mestrado que primeiro denunciou a situação nas redes sociais e que confrontou o grupo 'Tertúlia' com a situação.

A direção da Faculdade de Direito também já emitiu um comunicado, no qual afirma que "não serão toleradas quaisquer ações ofensivas relativamente a alunos da Faculdade".

Esta semana decorrem ações de campanha para as eleições da associação académica da faculdade, e junto a outras mesas das listas candidatas estava também uma mesa deste grupo de humor e sátira composto por alunos da instituição, segundo relatou Flora Almeida.

O comunicado da direção começa por referir esse ambiente de campanha eleitoral para defender de seguida que a faculdade "orgulha-se de ser um espaço de liberdade de opinião e de incentivo à participação cívica responsável, convivendo com a autocrítica, o humor e a sátira".

"A direção da Faculdade reafirma estes valores, os quais devem coadunar-se com o respeito por todos os alunos, assim como com a respetiva diversidade cultural, étnica ou de proveniência, e pela consequente ausência de ações suscetíveis de serem ofensivas ou impróprias. Razão pela qual, mesmo em campanha eleitoral para os órgãos associativos dos estudantes, não serão toleradas quaisquer ações ofensivas relativamente a alunos da Faculdade", lê-se no comunicado.

Para Flora Almeida esta posição ficou "bem no meio do muro", ou seja, "bastante neutra" e que não se compromete, defendendo que a posição assumida pelo reitor foi bastante mais assertiva na condenação do caso e referiu que foi o grupo de apoio aos brasileiros da própria faculdade que pediu à direção uma tomada de posição.

"A direção da faculdade foi falar com eles, tiraram, a princípio, aquele papel, que falava dos 'zucas', mas depois substituíram por outro com 'cacique'. Para nós cacique é índio. Depois retiraram tudo", contou.

Para Flora foi surpreendente que os cartazes tenham estado expostos toda a manhã e uma parte da tarde, relatando que foi ela que tomou a iniciativa de pedir satisfações ao grupo de sátira.

"Quando eu fui questionar disseram que era uma piada. E eu respondi que piada é só quando todos riem. Eles falaram que é normal, que 'mexem' com todo o mundo, que o ano passado foram os muçulmanos o alvo das piadas. Para mim é muito estranho a faculdade permitir que um grupo que faz sátira desse tipo se reúna dentro da faculdade ou que monte um 'stand' no átrio, dado o momento que estamos a viver. Acho que esse tipo de piada não é tolerável, pode ser uma faísca para uma coisa muito maior. Estamos a viver tempos de extremos. Só cheguei às duas da tarde, mas eles já lá estavam desde manhã e ninguém tinha feito nada", disse.

Flora Almeida adiantou ainda que os alunos brasileiros de mestrado admitem fazer um protesto na quinta-feira.

"Fiquei muito dececionada, porque dentro da faculdade nunca tinha sentido isso. Eu tenho uma relação muito boa com os portugueses, com o país. Fui muito bem recebida, portanto foi bastante chocante para mim, apesar de já ter ouvido outros relatos de outros brasileiros com professores que dão nota menores a brasileiros, que insultam brasileiros", afirmou.

Segundo a estudante brasileira há um descontentamento dos alunos portugueses relativo ao processo de seleção para admissão ao mestrado.

Como a seleção é feita com base nas notas da licenciatura, isso acaba por beneficiar os alunos brasileiros, que, como reconheceu Flora Almeida, têm notas mais altas, com base "noutro tipo de critérios".

"Quando portugueses e brasileiros participam no mesmo tipo de seleção, acontece que os brasileiros acabam por ter notas mais altas. Entendo a insatisfação, mas não é com os brasileiros que têm que se revoltar, é com o processo de seleção", disse.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório