Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 21º

Edição

Visados de Neto de Moura “ultrapassaram liberdade de expressão"

Advogado de Neto de Moura explica que, por exemplo, "chamar animal irracional" ao juiz ultrapassa os limites daquilo que é a liberdade de expressão.

Visados de Neto de Moura “ultrapassaram liberdade de expressão"

O advogado do juiz Neto de Moura defende que os humoristas, políticos e jornalistas que criticaram publicamente as suas decisões, pondo em causa – segundo diz – a sua honra pessoal e profissional “ultrapassaram” os limites da liberdade de expressão.

Em entrevista à TVI, Ricardo Serrano Vieira começou por dizer que “algumas das informações” veiculadas sobre as decisões do juiz da Relação do Porto “não correspondem inteiramente à verdade”.

E, “mesmo que tivessem correspondência com a verdade”, salientou, “não justificariam as ofensas de que o senhor juiz-desembargador foi alvo”.

“Chamar animal irracional, besta ou dizer que [Neto de Moura] é um perigo para a segurança de outro cidadão, de facto, já ultrapassa aquilo que é a liberdade de expressão”, considerou, admitindo compreender “a indignação” em relação ao último acórdão em que o juiz decidiu retirar a pulseira eletrónica a um condenado por violência doméstica que perfurou o tímpano à vítima. No entanto, defendeu que as “regras processuais” foram respeitadas.

Na opinião de Ricardo Serrano Vieira, “a legislação sobre esta matéria em concreto precisa de ser revista”.

Quanto à passagem bíblica, que surge num outro acórdão em que o juiz Neto de Moura justifica violência doméstica com o facto de a vítima ter cometido adultério, o advogado referiu que “o que ali estava era uma resenha histórica feita pelo sr. dr. juiz, não era, no fundo, a justificação para uma decisão”,  justificando que o desembargador pretendeu, com aquela passagem, “explicar como é que a nossa sociedade ao longo dos anos tratou este problema”.

Ricardo Serrano Vieira terminou afirmando que a decisão do Conselho Superior de Magistratura de sancionar o juiz, através de uma advertência,  “não tem por base a decisão ou as decisões do juiz, tem por base a maneira como ele escreveu em dois desses acórdãos”.

Apesar disso, recorde-se, o juiz vai recorrer da decisão no Supremo Tribunal Administrativo. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório