Meteorologia

  • 17 NOVEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 14º

Edição

Hugo Abreu caiu de viatura e "não se mexeu mais". Instrutor ignorou

"Foi a última vez que vi o Hugo Abreu", declarou Rodrigo Seco em tribunal.

Hugo Abreu caiu de viatura e "não se mexeu mais". Instrutor ignorou
Notícias ao Minuto

19:59 - 18/10/18 por Lusa

País comandos

Um dos instruendos do curso de Comandos em que morreram dois recrutas disse hoje em tribunal que Hugo Abreu caiu no solo e "não se mexeu mais" quando subia para uma viatura, o que foi presenciado e ignorado por um dos instrutores.

Dylan da Silva e Hugo Abreu, à data dos factos ambos com 20 anos, morreram e outros nove instruendos sofreram lesões graves e tiveram de ser internados durante a denominada 'Prova Zero' (primeira prova do curso de Comandos) do 127.º curso de Comandos, que decorreu na região de Alcochete, distrito de Setúbal, a 04 de setembro de 2016.

Rodrigo Seco, um dos dez instruendos do grupo de graduados, do qual fazia parte Hugo Abreu descreveu que no decurso da 'Prova Zero' os dois instrutores responsáveis por este grupo, Tenente Hugo Pereira e Primeiro-Sargento Ricardo Rodrigues, sempre desvalorizaram os sintomas de mal-estar, os sinais de cansaço e ignoraram os vários pedidos para que pudessem beber água.

Sempre que isso acontecia, os instrutores aplicavam "castigos" aos instruendos, como rastejar, fazer flexões, saltar para cima de silvas, fazer cambalhotas ou realizar marchas, segundo este recruta, acrescentando que só podiam "beber água à ordem", o que só aconteceu por duas vezes, nas quais beberam três ou quatro tampas do cantil com água.

A testemunha contou que se sentiu mal por diversas vezes, com tonturas, boca seca, sensação de que estava tudo a andar à roda e com dificuldades em respirar, além de ter caído algumas vezes, sem forças, o que aconteceu com outros camaradas do mesmo grupo. Sempre que isso acontecia, disse, os instrutores davam ordem para que continuassem a instrução.

Rodrigo Seco, que se constituiu assistente no processo e reclama 40.000 euros do Estado e dos 19 arguidos, todos Exército, do Regimento de Comandos, disse que pouco tempo depois de estar deitado na zona da carreira de tiro após se ter sentido mal, mais uma vez, à semelhança de outros dois instruendos, Hugo Abreu chegou àquela zona.

"Estava vermelho, só cuspia saliva e ria-se", relatou ao coletivo de juízes, presidido por Helena Pinto, acrescentando que "estava muito calor" durante a prova de tiro, que se realizou após o almoço, possivelmente entre as 12:00 e as 14:00.

Rodrigo Seco explicou que se deixou ficar deitado de olhos fechados, tendo ao seu lado outros dois camaradas que também se sentiram mal, mas que, quando abriu os olhos, viu o sargento Rodrigues "de cócoras" e à frente da cara de Hugo Abreu a dizer: "cospe lá agora, cospe lá agora", sem conseguir precisar o que é que este instrutor fez.

Assim que o sargento se afastou, Hugo Abreu começou como se estivesse a "engasgar e com falta de ar", descreveu o instruendo, e que, de seguida, o enfermeiro se dirigiu a Hugo Abreu e lhe atirou água para a zona da boca, parecendo que o estava a limpar.

Rodrigo Seco disse ao coletivo de juízes apenas ter visto terra "à volta da boca" de Hugo Abreu e não no interior da mesma.

Quando quatro recrutas do grupo de graduados se preparava para embarcar numa viatura militar, Hugo Abreu, que seguia pelo próprio pé, caiu no solo "e já não se mexeu mais", referiu este instruendo, afirmando que o sargento Rodrigues assistiu ao momento da queda.

De seguida, Hugo Abreu foi colocado no interior da viatura pelos restantes camaradas, onde já estavam outros quatro elementos deste grupo de dez recrutas. Nesse momento faltavam dois instruendos, que a testemunha disse não saber onde estavam.

Rodrigo Seco relatou depois que na viagem, Hugo Abreu, que estava deitado e tinha a cabeça amparada nas pernas de um dos recrutas, "começou a revirar os olhos" e não reagia. Um dos instruendos teve de colocar os dedos na boca de Hugo Abreu para que este "não enrolasse a língua" e que a boca foi mantida aberta com uma tampa de cantil, contou Rodrigo Seco.

Durante o percurso da carreira de tiro até à área das tendas, a viatura parou e o primeiro sargento Ricardo Rodrigues veio para junto dos recrutas, mas "não ajudou em nada", segundo a testemunha, mesmo quando outro recruta que ia na viatura também caiu.

À chegada, os dois recrutas que estavam mal, incluindo Hugo Abreu, foram retirados pelos restantes camaradas e colocados no solo, ainda com os olhos fechados. De seguida, os três recrutas, um dos quais Rodrigo Seco, dirigiram-se para a área das tendas.

"Foi a última vez que vi o Hugo Abreu", declarou Rodrigo Seco em tribunal.

O óbito de Hugo Abreu viria a ser declarado na tenda médica do Campo de Tiro de Alcochete às 21:45 desse dia.

No final da sessão, o procurador do Ministério Público (MP), José Nisa, dirigiu-se à testemunha e disse que caso se sentisse ameaçado, para se dirigir ao MP para se tratar da sua segurança, o que levou a manifestações de desagrado por parte de alguns advogados dos arguidos.

A próxima sessão está agendada para 25 de outubro, na qual vão ser ouvidos os pais de Hugo Abreu e vai prosseguir a inquirição deste instruendo do 127.º curso de Comandos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório