Meteorologia

  • 21 JUNHO 2018
Tempo
23º
MIN 21º MÁX 25º

Edição

Detida por morte de Gabriel suspeita da morte de outra menina em Burgos

Ana Julia Quezada era namorada do pai de Gabriel, menino desaparecido em Almería, em fevereiro. Polícia investiga agora relação com outra morte, de uma menina que estava ao seu cuidado em Burgos.

Detida por morte de Gabriel suspeita da morte de outra menina em Burgos
Notícias ao Minuto

08:51 - 12/03/18 por Anabela de Sousa Dantas

Mundo Espanha

A mulher detida este domingo pela presumível autoria da morte do menino de 8 anos que estava desaparecido em Almería, Espanha poderá ser agora suspeita de uma outra morte, uma menina, que seria uma das suas duas filhas, que viviam consigo em Burgos. A informação é avançada pelo jornal El País com confirmação de fontes da Polícia Nacional, que não confirmam Ana Julia como suspeita, mas antes a revisão daquele caso.

A menor terá caído de uma janela e a sua morte foi considerada acidental, embora tenham existido suspeitas de que tinha sido atirada “porque o edifício tinha janelas difíceis de abrir”.

Ana Julia Quezada, de 43 anos, sublinhe-se, é a principal suspeita da morte de Gabriel Cruz. A espanhola de origem dominicana era namorada do pai de Gabriel, Ángel Cruz, [os dois na imagem acima] há alguns meses e participava ativamente nas buscas pela criança, que desapareceu no passado dia 27 de fevereiro em Las Hortichuelas, uma localidade no município de Níjar (província de Almería).

O diário espanhol não avança quando terá ocorrido a morte da menina em Burgos, mas será anterior a 2014, altura em que Ana Julia se mudou para Almería. A investigação centrar-se-á agora sobre a sua passagem por Burgos, onde ainda vive uma filha sua, com cerca de 20 anos.

Embora as primeiras notícias não refiram esta ligação, o La Vanguardia avança que a menina em causa era sua filha também e que teria sete anos e não quatro, como foi inicialmente avançado. A morte da criança, escreve o mesmo jornal, terá ocorrido em 1996, quando morava em Burgos com as duas filhas, que vieram consigo da República Dominicana. Ainda nenhuma destas informações foi confirmada oficialmente pelas autoridades, sublinhe-se.

Ana Julia Quezada foi este domingo detida pelas autoridades espanholas quando transportava o corpo de Gabriel, sendo a principal suspeita da sua morte. A mulher disse às autoridades que tinha o cadáver do menino no carro porque temia que alguém o encontrasse no poço onde estava escondido.

A detenção de Ana Julia foi, inclusive, confirmada através do Twitter pelo ministro espanhol do Interior, Juan Ignacio Zoido, que indicou ter falado com os pais de Gabriel e transmitiu “profunda dor e comoção” em nome do “governo e de todos os espanhóis” e apelou ao respeito pelo trabalho das autoridades.

Recorde-se que Gabriel desapareceu no dia 27 de fevereiro depois de ter saído de casa da sua avó paterna, Carmen, para ir a casa dos primos, que vivam a cerca de 100 metros de distância. A avó diz que o viu afastar-se mas não apareceu em casa dos primos.

Ana Julia participou nas operações de busca desde o início, junto ao pai do menino, seu namorado, mas adensou as suspeitas que já existiam sobre si quando, no dia 3 de março, disse às autoridades que tinha encontrado uma camisola do menino numa zona de Las Negras que já tinha sido passada a pente fino pela polícia. A camisola estava ainda seca, quando havia chovido nos dias anteriores à sua alegada descoberta.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.