Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 25º

Detenção à revelia? "Rápido reconhecimento do mérito" de Yulia Navalnaya

A sua porta-voz Kira Yarmysh descreveu a decisão do tribunal como um "reconhecimento do mérito" de Navalnaya.

Detenção à revelia? "Rápido reconhecimento do mérito" de Yulia Navalnaya
Notícias ao Minuto

20:03 - 09/07/24 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Rússia

Após o Ministério Público russo ter emitido um mandado de captura para a viúva de Alexei Navalny, Yulia Navalnaya declarou que quem merece estar na prisão é Vladimir Putin. A sua porta-voz afirmou que esta ordem é um "rápido reconhecimento do mérito" da opositora russa. 

"Ah, e qual não será o procedimento usual? Um agente estrangeiro, depois um processo criminal, depois uma prisão? Ao escrever sobre isso, por favor, não se esqueça de escrever o principal: Vladimir Putin é um assassino e um criminoso de guerra", afirmou Navalnaya numa publicação na rede social X (antigo Twitter).

A opositora russa acentuou ainda que o lugar do presidente da Rússia "é na prisão e não em algum lugar de Haia, numa cela aconchegante com TV".

"Na Rússia, no mesmo local e na mesma cela de dois por três metros em que matou Alexei", terminou.

Por sua vez, a sua porta-voz Kira Yarmysh descreveu a decisão do tribunal como um "reconhecimento do mérito" de Navalnaya.

"O tribunal de Basmanny prendeu Yulia Navalnaya à revelia por 'participação numa comunidade extremista'. Rápido reconhecimento do mérito", declarou Yarmysh, numa publicação na rede social X.


De recordar que o Tribunal Bassmanni de Moscovo ordenou esta terça-feira a detenção à revelia de Yulia Navalnaya.

O Ministério Público russo apresentou uma acusação contra Navalnaya, que vive no estrangeiro, por participar numa associação extremista, pelo que foi declarada procurada. 

"Yulia Borissovna (Navalnaya) escapou à investigação preliminar e, por conseguinte, foi colocada na lista de procurados", declarou o serviço de imprensa dos tribunais de Moscovo na rede social Telegram.

O tribunal satisfez as exigências da investigação e ordenou a prisão de Navalnaya por um período de dois meses a contar da data da sua extradição para o território russo ou da sua detenção na Rússia.

Navalnaya, que prometeu continuar a causa do marido a partir do exílio no estrangeiro, acusa Putin de ser responsável pela morte de Navalny e afirma que o seu poder se baseia em "desinformação, mentiras, enganos e provocações".

Navalny morreu subitamente a 16 de fevereiro, um mês antes das eleições presidenciais de 17 de março, em que Putin era o candidato favorito, depois de dar um passeio na penitenciária IK-3 na cidade de Jarp, no Ártico, de acordo com as autoridades prisionais.  

Leia Também: Tribunal russo emite mandado de captura para viúva de Alexei Navalny

Recomendados para si

;
Campo obrigatório