Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
28º
MIN 16º MÁX 29º

Seul pede a Pequim para mediar aproximação entre Pyongyang e Moscovo

A Coreia do Sul está "profundamente preocupada" com a visita do Presidente russo à Coreia do Norte e pediu à China que atue como mediador na aproximação entre Pyongyang e Moscovo, declarou hoje o Governo sul-coreano.

Seul pede a Pequim para mediar aproximação entre Pyongyang e Moscovo
Notícias ao Minuto

07:08 - 19/06/24 por Lusa

Mundo Diplomacia

"As tensões na península coreana resultantes do reforço da cooperação militar entre a Rússia e a Coreia do Norte são contrárias aos interesses da China e pedimos à China que desempenhe um papel construtivo em prol da paz, da estabilidade e da desnuclearização da península", de acordo com um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros sul-coreano.

O texto é um resumo de uma reunião, na terça-feira, entre funcionários dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, da Coreia do Sul e da China, em Seul, e foi publicado horas antes do encontro entre o Presidente russo, Vladimir Putin, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Em resposta, a China disse que "não haveria qualquer mudança na sua política em relação à península coreana e que iria desempenhar um papel construtivo na resolução da questão da península", referiu ainda o Ministério dos Negócios Estrangeiros sul-coreano.

Pouco depois da publicação deste texto, Putin e Kim reuniram-se na capital norte-coreana, com o objetivo de assinar um novo tratado de parceria estratégica.

Outro dos objetivos da viagem é a criação de um "sistema recíproco de comércio e pagamentos não controlado pelo Ocidente", de acordo com um editorial publicado na terça-feira pelo diário norte-coreano Rodong.

As trocas entre Pyongyang e Moscovo intensificaram-se desde a cimeira, na Rússia, em setembro, e acredita-se que, desde então, Pyongyang forneceu milhares de contentores de armas a Moscovo, utilizadas na Ucrânia.

Em troca, o regime terá obtido assessoria para o programa de lançamento de satélites espiões.

Leia Também: Vladimir Putin "aprecia apoio" da Coreia do Norte à política da Rússia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório