Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
34º
MIN 20º MÁX 37º

EUA apelam para fim urgente do conflito entre Hezbollah e Israel

Um enviado especial do Presidente dos Estados Unidos apelou hoje para o desanuviamento urgente das trocas de tiros entre o Hezbollah libanês e Israel, tendo como pano de fundo a guerra na Faixa de Gaza.

EUA apelam para fim urgente do conflito entre Hezbollah e Israel
Notícias ao Minuto

11:52 - 18/06/24 por Lusa

Mundo Amos Hochstein

Desde o início da guerra entre Israel e o Hamas, em 07 de outubro, o Hezbollah, que tem o apoio do Irão, tem trocado regularmente tiros com o exército israelita em apoio do aliado palestiniano.

"O conflito entre Israel e o Hezbollah já durou tempo suficiente", afirmou Amos Hochstein durante uma visita a Beirute, citado pela agência francesa AFP.

"É do interesse de todos resolvê-lo rápida e diplomaticamente, o que é exequível e urgente", disse o enviado especial do Presidente Joe Biden.

O Hezbollah intensificou os ataques contra alvos militares no norte de Israel na semana passada, depois de um dos seus principais comandantes ter sido morto num ataque israelita.

No entanto, o movimento não reivindicou qualquer ataque contra Israel desde sábado à tarde, apesar dos ataques israelitas na zona fronteiriça no sul do Líbano, incluindo um na segunda-feira que matou um combatente.

"A situação é grave" e os Estados Unidos querem evitar "uma guerra em grande escala", disse Hochstein, que falou em Beirute com o presidente do Parlamento libanês, Nabih Berri.

Em 31 de maio, Joe Biden anunciou um plano para um cessar-fogo em Gaza, apresentado como sendo uma proposta de Israel.

"Um cessar-fogo em Gaza ou uma solução diplomática alternativa poderia também pôr fim ao conflito do outro lado da Linha Azul", afirmou Hochstein, referindo-se à linha de demarcação da ONU entre o Líbano e Israel.

O Hezbollah reivindica ter realizado mais de 2.100 operações militares contra Israel desde 08 de outubro.

Mais de oito meses de violência causaram a morte de pelo menos 473 pessoas no Líbano, na maioria combatentes do movimento islamista libanês e 92 civis, segundo uma contagem da AFP.

Do lado israelita, pelo menos 15 soldados e 11 civis foram mortos, de acordo com Israel.

De ambos os lados da fronteira, dezenas de milhares de pessoas foram deslocadas.

As trocas de tiros intensificaram-se nas últimas semanas, renovando os receios de uma guerra aberta entre Israel e o grupo armado xiita, como aconteceu em 2006.

Hochstein discutiu o conflito entre Israel e o Hezbollah na segunda-feira, em Telavive, em reuniões com as autoridades israelitas, incluindo o Presidente Isaac Herzog e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

As duas partes concordaram na "necessidade urgente de restaurar a segurança na fronteira norte [de Israel] e permitir que os residentes regressem às suas casas em segurança", segundo um comunicado da presidência israelita.

Leia Também: Ataque seletivo israelita mata membro do Hezbollah no Líbano

Recomendados para si

;
Campo obrigatório