Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 25º

Durante 20 anos recebeu salário sem trabalhar. Agora, processou empresa

Funcionária alega que empresa não lhe atribuiu um posto de trabalho adequado à sua condição especial e, apesar de ter sido remunerada, sente-se excluída.

Durante 20 anos recebeu salário sem trabalhar. Agora, processou empresa
Notícias ao Minuto

11:49 - 18/06/24 por Notícias ao Minuto

Mundo França

Durante 20 anos, uma mulher francesa trabalhou para a companhia Orange sem que nenhuma função lhe fosse atribuída. Após duas décadas a sentir-se renegada, decidiu apresentar uma queixa contra a companhia telefónica.

Laurence Van Wassenhove acusa a empresa de "assédio moral e discriminação no trabalho".

A mulher começou a trabalhar em 1993 para a France Telecom, sob condições especiais, dado que padece de uma hemiplegia parcial e de epilepsia. A empresa, entretanto comprada pela Orange, ofereceu-lhe um posto adequado às suas necessidades e tudo corria bem até que, em 2002, pediu para ser transferida para outra sucursal da empresa, noutra localidade de França.

O pedido foi aceite mas ao chegar ao local a mulher percebeu que não tinha um posto, nem funções atribuídas. E assim foi durante cerca de duas décadas.

Embora a empresa tenha cumprido com o pagamento dos seus salários, Laurence diz-se discriminada dentro do seu local de trabalho e afirma que é quase como se a tivessem "enfiado num armário".

O caso foi mesmo denunciado ao Governo e à Alta Autoridade para a Luta contra a Discriminação.

"Preferem pagar-lhe do que colocá-la a trabalhar", afirma o advogado da mulher, lembrando que "contratar uma pessoa com incapacidade significa reconhecer o seu trabalho e  ajudá-la a integrar-se melhor na sociedade". 

Já a empresa, contactada pelo La Dépêche,  afirma que fez todos os possíveis para garantir que a mulher trabalhava nas melhores condições, reforçando que lhe pagou todos os salários. Anadiu, ainda, que foi pensado criar um posto especifico para Lawrence mas que isto nunca chegou a acontecer dado que a mulher estava sucessivamente de baixa médica.

Leia Também: Heitor Lourenço: "Qualquer forma de desrespeito gratuito me faz tremer"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório