Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
31º
MIN 19º MÁX 31º

Rússia vê resultados "quase nulos" na Cimeira de Paz para a Ucrânia

A Rússia considerou hoje que a Cimeira de Paz para a Ucrânia, realizada no fim de semana na Suíça sem participação russa e chinesa, teve resultados quase nulos.

Rússia vê resultados "quase nulos" na Cimeira de Paz para a Ucrânia
Notícias ao Minuto

11:20 - 17/06/24 por Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

"Se falarmos sobre os resultados desta reunião, eles são quase nulos", comentou o porta-voz do Kremlin (presidência), Dmitri Peskov, citado pela agência francesa AFP.

Segundo Peskov, muitos dos participantes compreenderam "que qualquer discussão séria não tem futuro sem a presença da Rússia".

"Nós também observámos isso", afirmou.

Na cimeira, o Ocidente reforçou o apoio a Kyiv e rejeitou os termos apresentados por Moscovo para um cessar-fogo.

Quanto à futura participação russa numa cimeira para resolver o conflito, Peskov disse que a posição da Rússia é clara e foi definida na sexta-feira pelo Presidente Vladimir Putin.

"A iniciativa de paz que o Presidente Putin apresentou no final da semana passada ainda está na ordem do dia", afirmou.

Putin condicionou a paz na Ucrânia à retirada das tropas ucranianas das quatro regiões anexadas por Moscovo, ao reconhecimento por Kyiv das quatro regiões e da Crimeia como territórios russos e ao abandono de planos de adesão à NATO.

Se Kyiv aceitasse as condições, Putin disse que ordenaria imediatamente a cessação da ação militar e o início de negociações de paz.

A iniciativa incluiria ainda o levantamento de todas as sanções ocidentais contra a Rússia.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e os principais líderes ocidentais rejeitaram a proposta de Putin, afirmando que se tratava de uma rendição da Ucrânia.

"Continuaremos a trabalhar com todos os países que o desejarem. Esta é a posição do nosso Presidente, que continua aberto ao diálogo", disse Peskov, citado pela agência espanhola EFE.

A Rússia anexou a península ucraniana da Crimeia em 2014 e, na sequência da invasão do país vizinho em fevereiro de 2022, fez o mesmo às regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia.

Kyiv, que rejeita as anexações, disse que as tropas russas ocupam atualmente cerca de 20% do território da Ucrânia.

A cimeira na Suíça reuniu mais de 90 países, incluindo Portugal, que esteve representado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo chefe da diplomacia, Paulo Rangel.

O documento final da conferência foi assinado por países tidos como próximos da Rússia, como a Hungria, a Turquia e a Sérvia.

Sobre a decisão desses países, Peskov disse que o Kremlin tomou nota e continuará a explicar-lhes os seus argumentos.

Disse também que a assinatura do documento pelos países amigos de Moscovo não vai prejudicar as relações da Rússia com eles.

Em declarações à agência oficial TASS, o chefe dos serviços secretos russos, Serguei Narishkin, advertiu hoje que os requisitos para uma futura paz serão mais duros se a Ucrânia não aceitar a proposta de Putin.

"As próximas condições em que será possível alcançar a paz e assinar algum tipo de acordo serão mais difíceis e mais duras para a Ucrânia", afirmou Narishkin, citado pela agência espanhola Europa Press.

[Notícia atualizada às 11h41]

Leia Também: Cimeira? "É um pequeno passo, o verdadeiro sucesso será o fim da guerra"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório