Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 20º MÁX 38º

G7 condena violação dos direitos das mulheres mas exclui tema do aborto

A proposta de declaração final da cimeira do G7 em Itália condena a violação dos direitos das mulheres e dos LGBTQIA+, mas a inclusão do direito ao aborto acabou em divergência.

G7 condena violação dos direitos das mulheres mas exclui tema do aborto
Notícias ao Minuto

14:35 - 14/06/24 por Lusa

Mundo G7

A declaração da reunião do G7, que hoje terminou em Bari, na Itália, expressa "forte preocupação com a redução dos direitos das mulheres, meninas e pessoas LGBTQIA+ em todo o mundo, especialmente em tempos de crise".

O documento refere que o grupo de sete das maiores economias mundiais "condenam todas as violações e abusos dos seus direitos humanos e liberdades fundamentais".

Contudo, a inclusão do direito ao aborto no texto final das conclusões da cimeira dos líderes do G7 acabou por ser o maior ponto de desacordo.

Os primeiros rascunhos incluíam uma alusão explícita, que acabou deixada de lado, aparentemente devido às dúvidas do Governo italiano de Giorgia Meloni, anfitriã do evento.

O Governo italiano tem tentado minimizar o alegado desacordo no G7, remontando à declaração assinada no ano passado em Hiroshima (Japão) e que menciona que as mulheres devem ter "acesso ao aborto" e aos cuidados subsequentes de uma forma "segura e legal".

Meloni foi mais longe ao pedir que não fosse feita uma campanha a favor do aborto neste tipo de fórum, numa alusão velada ao presidente de França, Emmanuel Macron, que lamentou publicamente que o texto não inclua o termo "aborto".

"França integrou o direito das mulheres ao aborto, a liberdade de dispor do seu próprio corpo, na Constituição", lembrou o presidente francês, que espera que este direito seja também consagrado a nível da União Europeia.

Leia Também: G7 critica excesso de produção subsidiada de baixo custo da China

Recomendados para si

;
Campo obrigatório