Meteorologia

  • 13 JUNHO 2024
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Bulgária alerta para risco de "confronto direto" entre Rússia e NATO

O Presidente da Bulgária, conhecido pelas suas posições pró-russas, alertou hoje para o risco de Moscovo atacar diretamente um país da NATO, caso a Ucrânia seja autorizada a atingir alvos em solo russo com armas aliadas.

Bulgária alerta para risco de "confronto direto" entre Rússia e NATO
Notícias ao Minuto

20:09 - 27/05/24 por Lusa

Mundo Ucrânia

"As reações precipitadas dos nossos políticos e instituições, de que a Bulgária não enviará tropas para a Ucrânia, não significarão absolutamente nada se qualquer outro país provocar um confronto direto com a Rússia", referiu Rumen Radev, em declarações aos jornalistas na cidade suíça de Berna.

O chefe de Estado búlgaro referia-se ao apelo feito hoje pelo secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, para que sejam reconsideradas as atuais restrições que impedem a Ucrânia de utilizar armas aliadas contra território russo.

Stoltenberg salientou, durante a Assembleia Parlamentar da NATO que se reuniu em Sófia, que Kiev "terá as mãos atadas" se não conseguir responder ao ataque de Moscovo com ofensivas a alvos militares legítimos em território russo.

A Assembleia Parlamentar da NATO, uma instituição independente da Aliança Atlântica, aprovou hoje uma declaração de apoio para que seja dada essa capacidade à Ucrânia.

Além dos 32 países da NATO, têm assento na instituição delegados de parlamentos parceiros ou observadores de outras nações ou organizações, como a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa ou a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

"Os apelos aos países da NATO para levantarem a restrição ao uso de armas pela Ucrânia para atacar alvos militares russos estão a dar à Rússia razões para responder", frisou Radev, em reação a esta posição.

A sua advertência foi feita em alusão às implicações do artigo 5.º do Tratado do Atlântico Norte, que afirma que um ataque a um país membro é considerado um ataque a todos os aliados.

Radev tem acusado os políticos búlgaros de colocarem a população em risco ao optarem pela rota euro-atlântica, num contexto em que "a retórica militar no mundo ocidental está a aumentar".

"Já é altura de os políticos búlgaros abrirem bem os olhos sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia, esforçarem-se para acabar com ela mais rapidamente e encontrarem caminhos para a paz com base no direito internacional", defendeu Radev, citado num comunicado do seu gabinete.

O Kremlin (presidência russa) já condenou o apelo de Stoltenberg e acusou a NATO de aumentar "o grau de escalada".

"A NATO está a brincar com o fogo com a retórica militar, está a cair num êxtase bélico", vincou Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin, em declarações ao jornal 'Izvestia'.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Leia Também: Bulgária destrói mina flutuante perto do porto de Varna no mar Negro

Recomendados para si

;
Campo obrigatório