Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 26º

Turquia promete responsabilizar Israel pelos ataques em Rafah

A Turquia prometeu hoje que fará "tudo o que for possível" para responsabilizar o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e outras autoridades de Israel pelos ataques a Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

Turquia promete responsabilizar Israel pelos ataques em Rafah
Notícias ao Minuto

12:34 - 27/05/24 por Lusa

Mundo Médio Oriente

"Enquanto Turquia, faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para chamar à responsabilidade estes bárbaros e assassinos que nada têm a ver com a humanidade", afirmou o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

O líder turco referia-se a um ataque israelita a um campo de deslocados no noroeste de Rafah que causou 50 mortos, segundo o governo do grupo extremista palestiniano Hamas em Gaza.

O exército israelita confirmou o ataque dos aviões à zona de Tal al-Sultan, "com base em informações precisas" e visando dois altos responsáveis do Hamas, Yassin Rabia e Khaled Nagar.

"Este massacre, que teve lugar depois de o Tribunal Internacional de Justiça [TIJ] ter exigido o fim dos ataques, revelou mais uma vez a face cruel e traiçoeira do Estado terrorista", afirmou Erdogan.

"Tal como Hitler, Milosevic [presidente da antiga Jugoslávia], Karadzic [líder sérvio da Bósnia] e outros faraós da História que admiram, não poderão evitar ser amaldiçoados", acrescentou.

O TIJ ordenou na sexta-feira a Israel que cessasse de imediato os ataques em Rafah e permitisse a entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza sem quaisquer restrições.

As decisões do tribunal da ONU, com sede em Haia, nos Países Baixos, são vinculativas, mas o TIJ não tem meios para as fazer cumprir.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA, na sigla em inglês) denunciaram hoje o bombardeamento israelita como uma "noite sangrenta e aterradora".

"Houve ataques a um campo de civis na zona de Tal al-Sultan, onde os MSF têm um centro de estabilização para os feridos", declarou a coordenadora médica da organização em Gaza, Martina Marchio, num comunicado.

Marchio disse que, em consequência dos "múltiplos bombardeamentos" em Rafah, os trabalhadores da MSF receberam 28 mortos e uma centena de feridos.

"Estamos horrorizados com estes últimos acontecimentos, que mostram, mais uma vez, que não há lugar seguro em Gaza", afirmou, citada pela agência espanhola EFE.

A UNRWA disse nas redes sociais que os ataques contras "famílias que procuram refúgio" são aterradores.

"Gaza é o inferno na terra. As imagens de ontem [domingo] à noite são mais uma prova disso", afirmou a agência da ONU.

Israel e o Hamas estão em guerra desde um ataque do grupo palestiniano em solo israelita, em 07 de outubro de 2023, ter causado cerca de 1.200 mortos e duas centenas de reféns, segundo as autoridades de Telavive.

A ofensiva israelita na Faixa de Gaza, lançada após o ataque, provocou quase 36.000 mortos, segundo o Hamas.

Leia Também: Erdogan "triste" e Biden informado. As reações à queda de 'héli' no Irão

Recomendados para si

;
Campo obrigatório