Meteorologia

  • 19 JUNHO 2024
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 21º

Espanha. Polícia suspenso por um ano por fazer segurança no Vox

A investigação de Pérez, agente destacado para a área de segurança dos cidadãos em Girona, teve início em março de 2021.

Espanha. Polícia suspenso por um ano por fazer segurança no Vox
Notícias ao Minuto

09:09 - 22/05/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Espanha

O Departamento do Interior da Generalitat (sistema institucional em que se organiza politicamente o autogoverno da Catalunha) sancionou, em abril do ano passado, um polícia por ter atuado como coordenador do serviço de segurança do Vox durante um evento em Girona, em Espanha. 

Segundo o El País, o agente efetuou este trabalho fora do seu horário de trabalho e sem remuneração e foi sancionado por uma infração muito grave, com um ano e um dia de suspensão do emprego e do salário.

Após um inquérito, a Divisão de Assuntos Internos (DAI) considerou que o agente da polícia, Carlos Pérez, exercia uma atividade incompatível com a de funcionário público e que punha em causa a "imparcialidade e independência da força". Pérez argumenta que era um "voluntário", que não está sujeito a qualquer autorização, e denuncia que a Generalitat aplica dois pesos e duas medidas quando garante que os polícias que escoltaram o antigo presidente Carles Puigdemont em França podem fazer o que quiserem nos seus dias de folga.

A investigação de Pérez, agente destacado para a área de segurança dos cidadãos em Girona, iniciou-se em março de 2021. As eleições regionais aproximavam-se e, desde novembro do ano anterior, o agente da polícia tinha assumido a tarefa de coordenação com os agentes de segurança do Vox. A sua função, enquanto membro do partido, consistia em comunicar "eventos públicos, comícios, itinerários e deslocações" dos dirigentes do Vox em Girona. Anteriormente, o próprio chefe da direção de segurança do partido informou os Mossos, por correio eletrónico, de que estariam em contacto com Pérez. As comunicações fluidas foram interrompidas quatro meses depois, quando foi aberta uma investigação. De acordo com o processo, os superiores insistiram com Pérez para que pedisse autorização. Mas ele recusou: "Não é lógico pedir autorização para exercer uma atividade no meu tempo livre, que é apoiada pela Constituição", insiste, acrescentando que em momento algum escoltou ou deu segurança a políticos.

Um ano após o inquérito, os assuntos internos concluíram que era "evidente que a sua atividade como coordenador de segurança" do Vox tinha como "objetivo garantir a segurança dos eventos públicos" do partido em Girona. Na sua argumentação, consideraram que este trabalho "compromete a imparcialidade e a independência" do polícia em Girona.

Leia Também: Pai das crianças mortas pelo avô em Espanha internado e sedado

Recomendados para si

;
Campo obrigatório