Meteorologia

  • 12 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Presidente francês vai deslocar-se "esta noite" à Nova Caledónia

O Presidente francês, Emmanuel Macron, vai deslocar-se à Nova Caledónia, território francês na Oceânia afetado por atos de violência e após o reforço das forças de segurança que pretendem controlar a agitação.

Presidente francês vai deslocar-se "esta noite" à Nova Caledónia
Notícias ao Minuto

11:34 - 21/05/24 por Lusa

Mundo Emmanuel Macron

"Ele irá para lá (Nova Caledónia) esta noite" disse hoje a porta-voz do governo, Prisca Thevenot, que anunciou a viagem. 

A deslocação, que não tinha sido anunciada, obrigou a uma alteração da agenda de Emmanuel Macron que tinha planeado uma viagem à Normandia, norte de França, na quarta-feira.

De acordo com o Palácio do Eliseu, "em vez disso", vai viajar para o arquipélago na Oceânia, a leste da Austrália, que tem sido marcado por confrontos armados, pilhagens, fogo posto e outros atos de violência.

O estado de emergência no território ultramarino foi declarado por Paris na semana passada tendo sido enviados mil efetivos para apoiarem as forças de segurança que perderam o controlo de algumas zonas da capital, Noumea.

"O regresso à calma está a começar a chegar", disse a porta-voz do Eliseu.

O Aeroporto Internacional de Noumea vai permanecer encerrado aos voos comerciais até às 09:00 de sábado (22:00 de sexta-feira em Lisboa), disse hoje o diretor da Câmara de Comércio e Indústria do arquipélago francês da Nova Caledónia.

O aeroporto de La Tontouta, em Noumea, está fechado aos voos comerciais desde o passado dia 14 de maio devido aos bloqueios e à violência que abalaram o território ultramarino francês no Pacífico Sul durante a última semana.

Durante o período de 14 a 25 de maio, os cancelamentos dos voos da Aircalin, uma das companhias aéreas que operam em Noumea e que é detida a 99% pelo governo local, "abrangem um total de 85 voos e (afetam) quase dez mil passageiros", declarou a Aircalin em comunicado.

Os primeiros voos devem ser efetuados hoje para retirar os turistas retidos no arquipélago da Oceânia, marcado por uma revolta independentista iniciada após a reforma eleitoral aprovada em Paris.

A medida permite aos residentes estrangeiros há dez anos no arquipélago a participação no ato eleitoral o que provocou oposição das forças políticas locais que receiam maior controlo de Paris. 

Leia Também: Aeroporto da Nova Caledónia encerrado devido a instabilidade política

Recomendados para si

;
Campo obrigatório