Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 24º

Gantz ameaça demitir-se se Israel não adotar novo plano para a guerra

Benny Gantz, membro do gabinete de guerra israelita, ameaçou hoje demitir-se se o Governo não adotar um novo plano para a guerra em Gaza, o que deixaria o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, mais dependente dos seus aliados da extrema-direita.

Gantz ameaça demitir-se se Israel não adotar novo plano para a guerra
Notícias ao Minuto

20:27 - 18/05/24 por Lusa

Mundo Israel/Palestina

O seu anúncio, hoje, agrava a divisão no interior da liderança israelita, mais de sete meses após o início de uma guerra em que ainda não foram atingidos os objetivos declarados de desmantelamento do movimento islamita palestiniano Hamas e da libertação de mais de uma centena de reféns sequestrados no seu ataque de 07 de outubro a território israelita.

Gantz apresentou um plano de seis pontos que inclui o regresso a casa dos reféns, pôr fim ao domínio do Hamas na Faixa de Gaza, a desmilitarização daquele território palestiniano e a criação de uma administração internacional de assuntos civis. O plano defende também que sejam feitos esforços para normalizar as relações de Israel com a Arábia Saudita.

Se a sua proposta não for adotada até 08 de junho, diz que abandonará o executivo israelita.

Um político centrista e adversário político de longa data de Netanyahu, Benny Gantz juntou-se à sua coligação governamental e ao gabinete de guerra nos primeiros dias da ofensiva israelita à Faixa de Gaza.

A sua saída deixaria Netanyahu ainda mais dependente dos aliados de extrema-direita, que têm adotado uma linha dura nas negociações sobre o cessar-fogo e a libertação dos reféns e acreditam que Israel deve ocupar Gaza e reconstruir lá colonatos judaicos.

Israel declarou a 07 de outubro do ano passado uma guerra na Faixa de Gaza para "erradicar" o movimento islamita palestiniano Hamas depois de este, horas antes, ter realizado em território israelita um ataque de proporções sem precedentes, matando mais de 1.170 pessoas, na maioria civis.

O Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) -- desde 2007 no poder em Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel -- fez também 252 reféns, 124 dos quais permanecem em cativeiro e 37 morreram entretanto, segundo o mais recente balanço do Exército israelita.

A guerra, que hoje entrou no 225.º dia e continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza 35.386 mortos, mais de 79.000 feridos e cerca de 10.000 desaparecidos, presumivelmente soterrados nos escombros, na maioria civis, de acordo com números atualizados das autoridades locais.

O conflito causou também quase dois milhões de deslocados, mergulhando o enclave palestiniano sobrepovoado e pobre numa grave crise humanitária, com mais de 1,1 milhões de pessoas numa "situação de fome catastrófica" que está a fazer vítimas - "o número mais elevado alguma vez registado" pela ONU em estudos sobre segurança alimentar no mundo.

Leia Também: Exército israelita anuncia repatriamento de outro corpo recuperado em Gaza

Recomendados para si

;
Campo obrigatório