Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 20º

Putin pede política externa sino-russa para "ordem mundial justa"

O Presidente russo, Vladimir Putin, destacou hoje a necessidade de coordenação entre Moscovo e Pequim para estabelecer uma "ordem mundial multipolar justa", na véspera de uma visita de Estado de dois dias à China.

Putin pede política externa sino-russa para "ordem mundial justa"
Notícias ao Minuto

13:41 - 15/05/24 por Lusa

Mundo Rússia

Putin sublinhou, em entrevista à agência noticiosa oficial chinesa Xinhua, que a "relação estratégica e amigável" entre os dois países se mantém "independentemente da situação política", num contexto de aumento das sanções contra Moscovo por causa da guerra na Ucrânia e de apelos para que Pequim não apoie a Rússia.

Sobre as relações económicas, o líder russo referiu o grande potencial dos laços financeiros entre Rússia e China, sublinhando o crescimento do comércio bilateral e a "forte imunidade aos desafios e crises externas".

A importância da "cooperação económica e cultural entre as duas nações" e a promoção da "prosperidade e igualdade nos domínios económico e cultural" são outros aspetos destacados pelo Presidente russo.

A China é o maior parceiro comercial da Rússia há 13 anos consecutivos, enquanto a Rússia foi classificada como o quarto maior parceiro comercial da China em 2023.

Mais de 90 % das transações entre os dois países são realizadas nas respetivas moedas nacionais, sublinhou o líder russo.

No contexto do BRICS, o bloco de economias emergentes fundado pelos dois países, para além do Brasil, da Índia e da África do Sul, Putin valorizou a cooperação entre a Rússia e a China e manifestou o seu empenho em integrar novos membros durante a sua presidência do grupo em 2024, para alargar a representatividade da plataforma.

Putin sublinhou igualmente o papel do bloco, juntamente com a Organização de Cooperação de Xangai (OCX), nas questões internacionais.

Criada em 2001, a SCO, que reúne mais de metade da população mundial, centra-se na segurança regional, na luta contra o terrorismo regional, o separatismo étnico e o extremismo religioso.

Putin sublinhou a promoção da igualdade, da transparência e das reformas no sistema de governação mundial e rejeitou "as tentativas ocidentais de impor uma ordem baseada na mentira e na hipocrisia".

A visita de Putin à China, que começa na quinta-feira e se prolonga até ao dia seguinte, segue-se a uma recente viagem de Xi à Europa, no meio de pressões do Ocidente para que o líder chinês use a sua influência junto do homólogo russo para pôr fim à ofensiva na Ucrânia.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, lembrou na segunda-feira que este ano se assinala o 75º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países e que Pequim valoriza "muito a orientação estratégica da diplomacia dos dois chefes de Estado" nas suas relações bilaterais.

"Os nossos dois presidentes concordaram na altura em manter interações estreitas para garantir o crescimento suave e constante das relações bilaterais", disse Wang.

Leia Também: Rússia reivindica tomada de localidades no nordeste e no sul da Ucrânia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório