Meteorologia

  • 24 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 25º

Biden aumenta proteção da informação médica das mulheres que abortaram

O governo de Joe Biden anunciou hoje uma nova regulamentação para proteger mais as informações médicas das mulheres que recorreram legalmente a um aborto, para impedir, por exemplo, o seu uso em inquéritos realizados em outros estados.

Biden aumenta proteção da informação médica das mulheres que abortaram
Notícias ao Minuto

23:41 - 22/04/24 por Lusa

Mundo Joe Biden

Esta regulamentação deve proteger em particular as mulheres que habitem em estados onde agora o aborto é ilegal e que viajaram para um estado onde isso não acontece, para realizarem uma interrupção voluntária de gravidez (IVG).

Desde que o Supremo Tribunal de Justiça dos EUA anulou a proteção federal do aborto em 2022, uma vintena de estados proibiram ou restringiram o acesso ao aborto.

A alguns meses das eleições presidenciais de novembro, o aborto impôs-se como uma questão central da campanha.

Desde a decisão do Supremo, "as mulheres são obrigadas a viajar centenas de quilómetros" para abortar e "médicos e enfermeiras são ameaçados de prisão por terem dispensado os cuidados para os quais foram formados", denunciou hoje Jennifer Klein, conselheira de Biden.

Mas mesmo nos estados onde o aborto é permitido, as mulheres podem hesitar em fazê-lo, "por medo que a sua informação seja seguida e partilhada com agências estaduais, forças policiais ou outras", lamentou Melanie Fontes Rainer.

As novas regras protegem todo e qualquer ato de "saúde reprodutiva" realizado legalmente, detalhou, como a realização de um teste de gravidez.

Leia Também: Biden marca Dia da Terra com anúncio de apoio à energia solar em habitações

Recomendados para si

;
Campo obrigatório