Meteorologia

  • 26 MAIO 2024
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 23º

Putin apoia reeleição de líder da Crimeia após ataque ucraniano

O presidente russo, Vladimir Putin, apoiou hoje a reeleição do líder da Crimeia, Serguei Axionov, apesar do bem-sucedido ataque perpetrado na quarta-feira pela Ucrânia a um aeródromo militar, que demonstrou a fragilidade das defesas daquela península anexada.

Putin apoia reeleição de líder da Crimeia após ataque ucraniano
Notícias ao Minuto

18:34 - 18/04/24 por Lusa

Mundo Rússia

"As coisas estão a correr-lhe bem. Bem, nem todas. Mas está a cumprir os principais objetivos. Estou certo de que os crimeanos o apoiarão", afirmou Putin, numa reunião por videoconferência com Axionov.

Axionov está no poder desde a anexação daquele território, há uma década (2014), altura em que também apoiou abertamente a revolta armada no Donbass (leste da Ucrânia).

De acordo com o jornal russo Vedomosti, o rendimento 'per capita' dos habitantes da Crimeia em 2013 era 3,9 vezes inferior à média russa e os salários eram 2,6 vezes inferiores aos do resto da Rússia.

No entanto, dez anos depois, a situação não se alterou consideravelmente, uma vez que, segundo a agência RIA Rating, a Crimeia ocupa o 75.º lugar numa lista com os níveis de rendimento da população de 85 regiões, o que a torna uma das entidades federais mais pobres da Federação Russa.

Segundo esse indicador, 17,6% dos habitantes da Crimeia vivem abaixo do limiar da pobreza -- um dos piores números da Rússia.

O presidente do Conselho de Estado da República da Crimeia, Vladimir Konstantinov, reconheceu que a região sobrevive graças a "grandes pacotes financeiros" e estimou que só 30% do orçamento regional procede de receitas próprias e o resto, do orçamento federal.

Os Serviços Secretos Militares ucranianos garantiram ter destruído quatro lançadores de mísseis S-400, três estações de radar, um posto de controlo e equipamento de vigilância aeroespacial, no seu ataque da madrugada de quarta-feira a um aeródromo militar em Dzhankoi.

Na ausência de confirmação oficial, canais russos da plataforma digital Telegram informaram na quarta-feira sobre explosões no aeródromo, operação reivindicada por um grupo de guerrilheiros ucranianos que atuam na Crimeia e se identificam como Atesh.

No seu discurso à nação de quarta-feira à noite, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, saudou o Exército pela "precisão" demonstrada no ataque ao aeródromo.

A Rússia invadiu a Ucrânia a 24 de fevereiro de 2022, com o argumento de proteger as minorias separatistas pró-russas no leste e "desnazificar" o país vizinho, independente desde 1991, após a desagregação da antiga União Soviética, e que tem vindo a afastar-se do espaço de influência de Moscovo e a aproximar-se da Europa e do Ocidente.

A guerra na Ucrânia já provocou dezenas de milhares de mortos de ambos os lados, e os dois beligerantes mantêm-se irredutíveis nas suas posições territoriais e sem abertura para cedências negociais.

Os últimos meses foram marcados por ataques aéreos em grande escala da Rússia contra cidades e infraestruturas ucranianas, ao passo que as forças de Kiev têm visado alvos em território russo próximos da fronteira e na península da Crimeia, ilegalmente anexada em 2014.

Já no terceiro ano de guerra, as Forças Armadas ucranianas têm-se confrontado com falta de armamento e munições, apesar das reiteradas promessas de ajuda dos aliados ocidentais.

Leia Também: Rússia denuncia apreensão de casa de empresário russo em França

Recomendados para si

;
Campo obrigatório