Meteorologia

  • 26 MAIO 2024
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 23º

Cabo Verde quer reforçar trabalho remoto para empresas brasileiras

Cabo Verde tem uma delegação de 15 pessoas na Web Summit no Rio de Janeiro com a missão de reforçar o trabalho remoto de cabo-verdianos para empresas brasileiras, disse hoje o secretário de Estado da Economia Digital.

Cabo Verde quer reforçar trabalho remoto para empresas brasileiras
Notícias ao Minuto

20:47 - 17/04/24 por Lusa

Mundo Cabo Verde

"[Viemos] apresentar ao Brasil uma plataforma de talento. Nós queremos que os jovens cabo-verdianos não tenham de sair de Cabo Verde e que possam trabalhar remotamente para o Brasil", resumiu assim Pedro Lopes a ambição cabo-verdiana, em conferência de imprensa durante a segunda edição da Web Summit na cidade brasileira do Rio de Janeiro.

De forma a fazer cumprir essa ambição, a Cabo Verde Digital assinou hoje um memorando de entendimento com uma 'startup' brasileira fundada por um cabo-verdiano "que emprega e procura talento em Cabo Verde para trabalhar em empresas brasileiras", frisou.

"Viemos dizer ao Brasil que Cabo Verde pode ser uma porta de entrada para o continente africano", sublinhou Pedro Lopes.

As características de Cabo Verde assim o permitem, garantiu o responsável cabo-verdiano, já que são o país africano mais próximo do Brasil, para além da relação histórica e cultural que existe com este país sul-americano.

"A nossa história está muitas vezes associada a pessoas que foram escravizadas. Não temos nenhum tabu com a nossa história, mas queremos recontar a nossa história", disse, acrescentando que a inovação e tecnologia é "uma ferramenta para lhes dar força".

O Parque Tecnológico, que o Governo conta colocar em funcionamento este ano para impulsionar o setor da economia digital, trará condições fiscais competitivas para as empresas internacionais se fixarem em Cabo Verde, segundo o responsável.

"Somos um pequeno país, conhecido pelo turismo, mas queremos contar cada vez mais com empresas internacionais", disse, acrescentado que a missão passa por  "posicionar um pequeno país para o continente do futuro", num continente "que está ávido de mudança".

"Um país onde as pessoas não são perseguidas pela sua cor da pele, pela sua religião, pela sua sexualidade e isso faz de Cabo Verde um porto seguro para esta nova juventude", concluiu.

O Riocentro, na Barra da Tijuca, recebe até quinta-feira mais de 30.000 participantes, de pelo menos 100 países, mais de 1.000 'startups', cerca de 600 investidores e 600 oradores, numa estrutura apoiada por mais de 210 parceiros e 400 voluntários, de acordo com a organização.

O evento tecnológico, que nasceu em 2010 na Irlanda, passou a realizar-se na zona do Parque das Nações, em Lisboa, em 2016 e vai manter-se na capital portuguesa até 2028. A empresa registou também, além do Rio de Janeiro, uma expansão para o Médio Oriente, com a Web Summit Qatar que se realizou no início de 2024.

Leia Também: Rio de Janeiro ambiciona tornar-se capital da inovação da América Latina

Recomendados para si

;
Campo obrigatório