Meteorologia

  • 28 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 28º

EUA apuram que China aumentou vendas para esforço de guerra russo

A China aumentou as vendas para a Rússia de máquinas-ferramenta, microeletrónica e outras tecnologias que Moscovo aproveita para produzir mísseis, tanques, aeronaves e armamento para utilização na Ucrânia, de acordo com uma avaliação dos Estados Unidos.

EUA apuram que China aumentou vendas para esforço de guerra russo
Notícias ao Minuto

21:52 - 12/04/24 por Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

Dois altos funcionários da administração norte-americana citados sob anonimato pela agência Associated Press, disseram que em 2023 cerca de 90% da microeletrónica da Rússia teve proveniência na China e que a Rússia usou para fabricar mísseis, tanques e aeronaves.

Quase 70% dos cerca de 900 milhões de dólares (845 milhões de euros) em importações de máquinas-ferramenta da Rússia no último trimestre de 2023 também tiveram origem chinesa.

Entidades chinesas e russas têm trabalhado para produzir conjuntamente veículos aéreos não tripulados na Rússia, e empresas da China estarão a fornecer a nitrocelulose necessária para fabricar armas com propulsão, indicaram as mesmas fontes.

Pequim também está a trabalhar com a Rússia para melhorar os seus satélite e outras capacidades espaciais para utilização na Ucrânia, um desenvolvimento que os altos funcionários dizem que poderá, a longo prazo, aumentar a ameaça que a Rússia representa em toda a Europa.

Os funcionários, citando descobertas dos serviços de informação, disseram que os Estados apuraram ainda que a China está a fornecer imagens à Rússia para a sua guerra contra a Ucrânia.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, já tinha levantado as suas preocupações diretamente ao homólogo chinês, Xi Jinping, sobre o apoio indireto de Pequim ao esforço de guerra da Rússia, antes de uma visita que o chefe da diplomacia de Washington, Antony Blinken, deverá realizar este mês à capital da China.

Embora a China não tenha fornecido apoio militar letal direto à Rússia, Pequim responsabiliza o Ocidente por provocar a decisão do Presidente russo, Vladimir Putin, de lançar a guerra na Ucrânia, em fevereiro de 2022, e absteve-se de lhe chamar uma invasão em deferência ao Kremlin.

A China também afirmou que não está a fornecer armas ou assistência militar à Rússia, mas mantém ligações económicas robustas com Moscovo, ao lado da Índia e de outros países não ocidentais, apesar das sanções de Washington e dos seus aliados.

Xi reuniu-se em Pequim na terça-feira com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, que elogiou a liderança do líder chinês.

O crescente isolamento económico e diplomático da Rússia tornou-a cada vez mais dependente da China, o seu antigo rival na liderança do bloco comunista durante a Guerra Fria.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, que regressou a Washington esta semana após uma visita a Pequim, disse que alertou as autoridades chinesas que a administração de Joe Biden estava preparada para sancionar bancos, empresas e a liderança da China se ajudarem as forças armadas da Rússia na sua invasão da Ucrânia.

O Presidente norte-americano emitiu uma ordem executiva em dezembro dando a Yellen autoridade para sancionar instituições financeiras que ajudassem o complexo industrial militar da Rússia.

"Continuamos preocupados com o papel que quaisquer empresas, incluindo as da República Popular da China, estão a desempenhar nas aquisições militares da Rússia", disse Yellen aos jornalistas, avisando que "enfrentarão consequências significativas se o fizerem".

Janet Yellen reforçou que quaisquer bancos que facilitem transações significativas que canalizem bens militares ou de dupla utilização para a base industrial de defesa da Rússia expõe-se ao risco das sanções dos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, a China anunciou na quinta-feira raras sanções contra duas empresas de defesa dos Estados Unidos devido ao alegado apoio à venda de armas a Taiwan, a ilha democrática autónoma que Pequim reivindica como seu território.

O anúncio congela os ativos da General Atomics Aeronautical Systems e da General Dynamics Land Systems mantidos na China. Também proíbe a entrada da administração das empresas no país.

Os registos mostram que a General Dynamics opera meia dúzia de operações da Gulfstream e de serviços de aviação a jato na China, que continua fortemente dependente de tecnologia aeroespacial estrangeira, mesmo enquanto tenta construir sua própria presença no setor.

A empresa também ajuda a fabricar o tanque Abrams que está a ser adquirido por Taiwan para substituir equipamentos desatualizados.

A General Atomics produz os 'drones' Predator e Reaper usados pelos militares norte-americanos.

Leia Também: Trump "deixou claro que achava que a Ucrânia deve fazer parte da Rússia"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório