Meteorologia

  • 28 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 27º

Detidas 13 pessoas suspeitas de envolvimento na morte de Oromia

A polícia etíope anunciou a detenção de 13 pessoas suspeitas de envolvimento no assassínio, na terça-feira, de uma influente figura da oposição etíope em Oromia, noticiaram na quinta-feira à noite os meios de comunicação oficiais do Estado regional.

Detidas 13 pessoas suspeitas de envolvimento na morte de Oromia
Notícias ao Minuto

12:34 - 12/04/24 por Lusa

Mundo Etiópia

Bate Urgessa, 41 anos, líder da Frente de Libertação Oromo (OLF), um partido da oposição legalmente registado, foi encontrado morto a tiro na manhã de quarta-feira em Meki, uma cidade a cerca de 150 quilómetros a sul da capital Adis Abeba, disse um porta-voz do seu partido na quarta-feira.

O porta-voz, Lemi Gemechu, disse que Bate tinha sido detido na terça-feira à noite num hotel por membros das "forças governamentais", mas não deu mais pormenores.

Tariku Dirbaba, chefe da polícia da zona administrativa de Shoa Oriental, onde se situa Meki, disse que "tinha sido criada uma unidade para investigar o assassínio de Bate Urgessa" e que "já tinham sido detidos treze suspeitos", noticiou a Oromia Broadcasting Network (OBN), o órgão de comunicação social do governo regional. Não foram fornecidos pormenores sobre a identidade dos suspeitos detidos.

Oromia, a maior e mais populosa região da Etiópia, tem estado sob o domínio de uma insurreição armada violentamente reprimida desde 2018, acompanhada de assassínios comunitários por atacantes que não são claramente identificados.

A Comissão Etíope dos Direitos Humanos (EHRC), uma instituição pública mas estatutariamente independente, apelou a "uma investigação rápida, imparcial e exaustiva" deste assassínio "para garantir que os responsáveis sejam chamados a prestar contas".

O embaixador da União Europeia (UE) na Etiópia, Roland Kobia, o seu homólogo britânico Darren Welch e o gabinete do Departamento de Estado dos Estados Unidos em África transmitiram na rede social X o apelo do EHRC para uma investigação do assassínio de Bate Urgessa, reiterando a necessidade de "justiça e responsabilização".

Bate Urgessa foi libertado sob fiança em 06 de março, após ter estado detido durante 15 dias.

Ilegal e com uma ala militar até 2018, a OLF abandonou a sua luta armada em troca de uma amnistia, do reconhecimento legal e do regresso dos seus dirigentes do exílio, graças à abertura da arena política que acompanhou a chegada ao poder do atual primeiro-ministro Abiy Ahmed - ele próprio oromo, através do seu pai.

Desde então, a OLF acusa o Governo de Abiy Ahmed de ter encerrado muitos dos seus escritórios, de ter dificultado a sua participação nas eleições e de ter prendido vários dos seus dirigentes, alguns dos quais estão detidos há vários anos sem julgamento. Recusando-se a entregar as armas em 2018, parte da OLF dividiu-se e criou o Exército de Libertação Oromo (OLA).

Classificado como uma "organização terrorista" na Etiópia, o OLA tem, desde então, lutado contra as forças do Governo federal e regional em Oromia, uma região com cerca de 40 milhões de pessoas, a maioria das quais são oromo.

Leia Também: Opositor morre baleado na Etiópia após ser detido pelo governo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório