Meteorologia

  • 21 ABRIL 2024
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 26º

Somália expulsa embaixador etíope e encerra dois consulados no país

A Somália ordenou hoje a expulsão do embaixador etíope e o encerramento de dois consulados no país, acusando a Etiópia de "interferência nos [seus] assuntos internos", comunicou o Governo num comunicado de imprensa.

Somália expulsa embaixador etíope e encerra dois consulados no país
Notícias ao Minuto

14:33 - 04/04/24 por Lusa

Mundo Ministério

O Governo somali anunciou que decidiu encerrar as representações etíopes nas regiões da Puntland e da Somalilândia, tendo igualmente solicitado ao seu Ministério dos Negócios Estrangeiros que "informe o embaixador do Governo etíope na República Federal da Somália para regressar ao seu país para consultas".

O executivo explicou que tomou esta decisão "depois de se ter apercebido de que o Governo etíope está a interferir abertamente nos assuntos internos da Somália e a violar a [sua] soberania".

Este anúncio surgiu um dia após o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Etiópia ter recebido uma delegação da região semi-autónoma de Puntland, que anunciou no domingo que já não reconhecia "as instituições do Estado federal" da Somália, depois de o parlamento somali ter aprovado a transição para um regime presidencial.

As relações entre os dois países, historicamente complexas, estão tensas desde o anúncio, em 01 de janeiro, da assinatura de um "memorando de entendimento" entre Adis Abeba e a Somalilândia - uma região separatista - que prevê o arrendamento de 20 quilómetros de costa da Somalilândia à Etiópia durante 50 anos.

Mogadíscio denunciou o acordo como "ilegal" e uma "violação da sua soberania" equivalente a uma "agressão".

As autoridades da Somalilândia afirmaram que, em troca deste acesso ao mar, a Etiópia tornar-se-ia o primeiro país a reconhecer a nação oficialmente, o que nenhum outro país fez desde que este pequeno território de 4,5 milhões de habitantes declarou unilateralmente a sua independência da Somália em 1991.

O Governo etíope, todavia, limitou-se a afirmar que vai "efetuar uma avaliação aprofundada com vista a tomar uma posição sobre os esforços da Somalilândia para obter o reconhecimento".

O aumento das tensões entre os dois países, numa região assolada pela instabilidade, suscitou a preocupação de numerosos países e organizações internacionais como os Estados Unidos, a China, a União Europeia, a União Africana e a Liga Árabe, que apelaram ao respeito pela soberania da Somália.

Leia Também: Região da Puntlândia "revoga reconhecimento" do Governo federal da Somália

Recomendados para si

;
Campo obrigatório