Meteorologia

  • 21 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 15º MÁX 24º

Conselho da ONU examina pedido de embargo de armas a Israel

O Conselho de Direitos Humanos da ONU anunciou hoje que analisará sexta-feira um projeto de resolução da Organização de Cooperação Islâmica (OCI) que apela a um embargo de armas a Israel, invocando "o risco plausível de genocídio em Gaza".

Conselho da ONU examina pedido de embargo de armas a Israel
Notícias ao Minuto

13:37 - 03/04/24 por Lusa

Mundo Israel

O texto, apresentado no Conselho de Segurança pelo Paquistão em nome dos 55 Estados-membros da organização, à exceção da Albânia, condena "a utilização por Israel de armas explosivas de grande alcance" nas zonas povoadas da Faixa de Gaza e apela a Telavive para que "respeite a sua responsabilidade legal de evitar o genocídio".

Se o projeto de resolução for aprovado, será a primeira posição tomada pelo órgão de direitos humanos das Nações Unidas em relação ao conflito em curso entre Israel e o grupo islamita Hamas na Faixa de Gaza, que está a mergulhar o enclave palestiniano numa grave crise humanitária.

O texto é também apoiado pela Bolívia, Cuba e pela Autoridade Palestiniana e a reunião de sexta-feira será a última da atual sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra (Suíça).

O documento de oito páginas exige que Israel ponha fim à ocupação dos territórios palestinianos e cesse imediatamente o "bloqueio ilegal" à Faixa de Gaza, bem como qualquer outra forma de "punição coletiva".

O documento apela também ao fim de todas as transferências de armas, munições e outros equipamentos militares e salienta os efeitos das armas explosivas nos hospitais, escolas, abrigos e abastecimento de água e eletricidade em Gaza, denunciando "a utilização da privação de civis como método de guerra".

O texto apela igualmente a um cessar-fogo imediato e condena "as ações de Israel que equivalem a uma limpeza étnica", instando todos os países envolvidos a impedir a deslocação forçada de palestinianos na Faixa de Gaza.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU integra 47 países, 18 dos quais apoiaram antecipadamente o projeto de resolução.

São necessários 24 votos para obter a maioria absoluta, mas uma resolução pode ser aprovada com menos votos graças às abstenções.

Há muito que Israel acusa o Conselho de Direitos Humanos da ONU de parcialidade.

A 07 de outubro de 2023, comandos do Hamas infiltrados a partir de Gaza levaram a cabo um ataque no sul de Israel que causou a morte de pelo menos 1.160 pessoas, na sua maioria civis, segundo uma contagem da agência francesa AFP baseada em dados oficiais israelitas.

Segundo Israel, cerca de 250 pessoas foram raptadas nesse mesmo dia e 130 delas continuam reféns em Gaza, havendo informações de que 34 delas terão morrido.

Em represália, Israel estabeleceu como objetivo a destruição do Hamas e lançou uma campanha de intensos bombardeamentos aéreos na Faixa de Gaza, seguida de uma ofensiva terrestre.

Pelo menos 32.975 pessoas, na sua maioria civis, foram mortas nas operações israelitas, segundo os dados mais recentes divulgados hoje pelo Ministério da Saúde tutelado pelo Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007.

Num comunicado, o Hamas refere que, nas últimas 24 horas, foram registadas mais 59 mortes e sublinha que 75.577 pessoas ficaram feridas em quase seis meses de guerra.

Leia Também: Explosão que feriu membros da ONU foi causada por Hezbolllah, diz Israel

Recomendados para si

;
Campo obrigatório