Meteorologia

  • 15 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 22º

MNE polaco apoia Macron sobre envio de tropas da NATO para Ucrânia

O chefe da diplomacia polaca, Radoslaw Sikorski, admitiu que a presença de tropas da NATO na Ucrânia "não é impensável" e agradeceu ao presidente francês, Emmanuel Macron, a iniciativa de falar no assunto.

MNE polaco apoia Macron sobre envio de tropas da NATO para Ucrânia
Notícias ao Minuto

11:51 - 09/03/24 por Lusa

Mundo Ucrânia

Sikorski fez a observação durante um debate que assinalou o 25.º aniversário da adesão da Polónia à NATO, no parlamento polaco, na sexta-feira, e o Ministério dos Negócios Estrangeiros divulgou os comentários mais tarde nas redes sociais.

"A presença de forças da NATO na Ucrânia não é impensável", afirmou Sikorski, citado pela agência norte-americana AP.

"Aprecio a iniciativa do Presidente Emmanuel Macron, porque o que está em causa é que [o Presidente russo Vladimir] Putin tenha medo, e não que nós tenhamos medo de Putin", acrescentou.

Macron afirmou em fevereiro que a possibilidade de envio de tropas ocidentais para a Ucrânia não podia ser excluída, um comentário que suscitou o protesto de outros líderes.

Mais tarde, as autoridades francesas procuraram clarificar os comentários de Macron e atenuar a reação adversa, insistindo simultaneamente na necessidade de enviar um sinal claro à Rússia de que não pode vencer a guerra contra a Ucrânia.

Foi então admitida a possibilidade do envio de instrutores militares sem envolvimento em combates.

A guerra foi desencadeada pela invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2022.

Moscovo avisou que um conflito direto entre a NATO e a Rússia será inevitável se a Aliança Atlântica enviar tropas de combate para a Ucrânia.

Vladimir Putin advertiu que tal ação poderá desencadear uma guerra nuclear global.

O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, foi um dos líderes europeus que excluíram o envio de tropas para a Ucrânia após as declarações de Macron.

"A Polónia não tenciona enviar as suas tropas para o território da Ucrânia", assegurou Tusk.

O Presidente polaco, Andrzej Duda, e Tusk vão deslocar-se a Washington para uma reunião na Casa Branca (presidência dos Estados Unidos) na terça-feira.

Os polacos esperam incentivar os Estados Unidos a fazer mais para ajudar a Ucrânia.

A Polónia é membro da NATO e tem fronteiras, entre outros países, com a Ucrânia, a Bielorrússia (aliada da Rússia), e o enclave russo de Kaliningrado, situado no Báltico.

No passado, a Polónia esteve sob controlo russo e existe o receio de que, se a Rússia vencer na Ucrânia, possa vir a atacar outros países numa região que Moscovo considera ser a sua esfera de interesses.

A NATO (sigla inglesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte) passou a ter 32 membros desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, com a adesão da Finlândia e da Suécia, países que mantinham uma tradição de neutralidade.

Leia Também: Dois soldados polacos morrem após serem atropelados em exercício militar

Recomendados para si

;
Campo obrigatório